A Comissão Coordenadora Distrital de Viseu do Bloco de Esquerda anunciou esta tarde o seu mandatário distrital para as próximas eleições legislativas. A candidatura a ser apresentada no distrito contará com Albano Santos como mandatário, uma escolha que reflecte o alargamento da representatividade do Bloco no território, e reforça o BE como a força necessária para garantir políticas públicas ao serviço das pessoas.

Mensagem de Albano Santos

Aceitei, sem vacilar, o convite que me foi dirigido para ser o Mandatário Distrital da candidatura do Bloco de Esquerda às próximas eleições legislativas.

O distrito de Viseu precisa de ter na Assembleia da República representantes que defendam as suas terras e as suas gentes. Sinto uma grande desilusão nas pessoas relativamente àquilo que esperam da política (e dos políticos), e isto é algo que urge mudar.

Apoiei durante muitos e longos anos o PS, no distrito e no País. Não direi que foi totalmente um erro, mas foi certamente muito tempo perdido…

O País debate-se hoje com os mesmos problemas de sempre: Na saúde, na educação, na justiça, na segurança social, no emprego, entre tantos outros! E se neste momento, em que a legislatura caminha a passos largos para o seu termo, e o Governo se vangloria do trabalho levado a cabo, é bom lembrar que muito do que de bom (para as pessoas) aconteceu, se fica a dever aos compromissos firmados à esquerda, nomeadamente com o Bloco de Esquerda.

O distrito de Viseu e os concelhos que o compõem fazem parte daquele interior muitas vezes esquecido e abandonado, onde tudo custa mais a quem cá vive! Não basta trocar o interior pela baixa densidade para que os problemas se resolvam… É preciso mais, muito mais.

É preciso investir nas infraestruturas rodoviárias, na ferrovia, nos cuidados básicos de saúde, garantindo ainda o apoio no caso de doença súbita em todo o território. É preciso mais investimento na educação, pois um país que não investe na educação não salvaguarda o seu futuro. É urgente que a justiça funcione, que os serviços públicos estejam presentes em todos os concelhos, e que as pessoas sejam sempre uma prioridade, estejam elas onde estiverem. A política só faz sentido se for dirigida às pessoas… e isto é tão mais pertinente, quando falamos de concelhos onde impera a população idosa.

Por último, é urgente colocar um ponto final na precariedade laboral. A começar pelo Estado! Não aceitamos ver jovens e menos jovens, presos a contratos precários ou falsos recibos verdes. Também aqui, estou certo, marcaremos a diferença.

Albano Santos

Albano António Alves Santos, nasceu em Luanda – Angola em Junho de 1955. Em 1970 imigrou para a África do Sul, onde concluiu o Ensino Secundário, e em Março de 1976 vem para Portugal, tendo fixado residência em Resende, onde se encontram as suas origens familiares.

Fez grande parte da sua vida profissional em Resende, tendo desempenhado funções como Técnico de Instalações Elétricas na Federação de Municípios do Distrito de Viseu entre 1977 e 1984, altura em que ingressou nos quadros de pessoal da EDP. Foi mais tarde deslocado para Lamego, onde assumiu novas responsabilidades no gabinete de Orçamentação, Gestão e Acompanhamento de Obras, e onde se manteve até Fevereiro de 2008, altura em que saiu para a Pré-Reforma.

Foi Presidente da Casa do Povo de Resende entre agosto 2002 e maio 2016, tendo sido o principal responsável pelo crescimento desta Instituição na criação de respostas sociais, em Lares de Idosos, Creche e Serviço de Apoio Domiciliário. Foi condecorado com a Medalha de Ouro Municipal de Mérito do Município de Resende, pelas suas qualidades humanas, profissionais e intelectuais, bem como pelo seu contributo para as respostas atrás referidas, na área da solidariedade social.

No âmbito do associativismo, faz ainda parte dos órgãos sociais da Associação de Karate Shotokan de Resende, do Clube de Natação de Resende e da Casa do Benfica em Resende.

Foi vereador da Câmara Municipal de Resende, entre Outubro 2009 e Setembro 2017.

Atualmente é membro da Comissão Coordenadora Distrital de Viseu do Bloco de Esquerda.

Deixe o seu comentário

Skip to content