Fotos por Vitor Oliveira | Flickr

Nos últimos meses foram aprovadas duas candidaturas no contexto do Programa Operacional Centro 2020: obras no Mosteiro de Santa Maria de Maceira Dão, em Mangualde (já em execução) e na Sé de Viseu (devem iniciar até final de junho).

A informação é avançada pela Direção Regional de Cultura do Centro (DRCC), ao anunciar 1,5 milhões de euros que vão ser investidos em monumentos nacionais de Viseu para criar melhores condições de acesso a bens culturais, através da sua reabilitação, salvaguarda, conservação, restauro e valorização.

 

Mosteiro de Santa Maria de Maceira Dão – Mangualde

Mosteiro de Santa Maria de Maceira Dão

Valor total: 500.000,00€
Início da obra: Outubro de 2020
Conclusão prevista: Final de 2021

Intervenção: “com a extinção das ordens religiosas, em 1834, o mosteiro foi abandonado e o seu património móvel e integrado disperso. Hoje o estado de degradação do Mosteiro é evidente, sendo necessária uma requalificação urgente. O projeto desenvolvido parte da necessidade de suster a ruína, centrando-se sobretudo na igreja que será alvo de uma intervenção estrutural com substituição do revestimento em telha, ações de conservação e restauro sobre elementos pétreos, recuperação e consolidação de alvenarias e abóbadas, instalação de caixilharias. Serão consideradas também ações de travamento estrutural nas arcadas do claustro e no tardoz da capela-mor. Executada esta operação, o Mosteiro de Santa Maria de Maceira Dão passará a ser visitável.”

Enquadramento histórico: “o Mosteiro de Santa Maria de Maceira Dão foi classificado como Monumento Nacional em 2002. A sua fundação está atribuída a D. Soeiro Teodoniz, dentro da Regra Beneditina. Crê-se que foi em 1168 que o cenóbio foi aqui instalado. A partir de 1188 adota a Regra de Cister, sob dependência dos abades de Alcobaça. Coevo à fundação da nacionalidade, foi desde logo beneficiado e privilegiado por D. Afonso Henriques. Dos primórdios da fundação há ainda visível o volume constituído pela torre do século XII. A partir do século XVII são realizadas profundas alterações com a construção do claustro e da fachada, conforme se constata pela epígrafe 1613 exibida na portaria. Desta época, datam o claustro, a sala do capítulo, o refeitório, a cozinha, a adega e outras dependências, ficando as celas situadas no piso superior, bem como o quarto do Dom Abade, a biblioteca e a enfermaria. A igreja de nave elíptica data da década de 1740, tendo ficado concluída em 1779.”

 

Sé de Viseu

Sé de Viseu

Valor total: 1 348 097,96€
Lançado concurso público a 8 de março de 2021

Intervenção: “intervenção estruturante e que resultará na melhoria das condições de fruição deste espaço através de ações de salvaguarda do património, com particular foco na sua capacitação para o acesso de pessoas com mobilidade reduzida. A antiga Residência Paroquial sofrerá a intervenção mais significativa dentro do conjunto, sendo o interior integralmente reformulado.”

Enquadramento histórico: “localizada no Centro Histórico da cidade, a Sé de Viseu está classificada como Monumento Nacional desde 1910.  Edificada nos inícios do século XII, associada ao paço condal e ao castelo, a Sé de Viseu sofreu várias remodelações nos séculos XIII-XIV, com a edificação do claustro gótico e do novo corpo da catedral. Os séculos XV e XVI correspondem ao maior ciclo construtivo do templo, com a construção da abóbada de nós, de uma fachada manuelina e do claustro renascentista da traça de Francesco da Cremona, o arquiteto de D. Miguel da Silva.”

 

Mosteiro de Santa Maria de Maceira Dão em ruínas começa a ser recuperado

Deixe o seu comentário

Skip to content