Centros de Saúde de Dão Lafões só têm duas médicas dentistas

dentista
dentista

Cinco anos depois de implementação de projeto que previa a colocação de um dentista em cada centro de saúde, nos Centros de Saúde de São Lafões apenas existem duas profissionais, em Carregal do Sal e Viseu 3.

Segundo artigo do Jornal do Centro (JC), o diretor do ACES (Agrupamento de Centros de Saúde) admite que o projeto “está muito longe” de satisfazer as necessidades da saúde oral.

A Ordem dos Médicos Dentistas considera que, cinco anos depois da criação do projeto que previa a entrada de profissionais da área no SNS, a iniciativa “falhou quase em toda a linha” argumentando que nenhum médico dentista se manteve devido às “escassas condições” oferecidas.

Em declarações ao JC, o diretor executivo do ACES Dão Lafões, António Cabrita Grade, refere que na zona abrangida pelo agrupamento apenas há “uma médica sediada no Centro de Saúde Viseu 3 e uma outra médica sediada no Centro de Saúde de Carregal do Sal”.

“As duas médicas fazem apoio dentro do possível em dois centros de saúde que estão equipados com cadeiras e que são os de Vouzela e Santa Comba Dão”, acrescenta. Explicando ainda que as especialistas atendem também utentes referenciados pelos médicos de família de outros concelhos da região Dão Lafões.

Cabrita Grade admite que o projeto “está muito longe” de satisfazer as necessidades da saúde oral e defende que os centros de saúde deveriam pelo menos assegurar “a parte curativa que deveria ser extensível a todos os concelhos do país”.

Já o bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Miguel Pavão, diz, de acordo com o JC, que o programa se tratava de “uma oportunidade para trazer justiça a uma falha antiga do Serviço Nacional de Saúde, repondo a saúde oral”. Mas neste momento pode estar em risco por não apresentar os resultados desejados.

A nível nacional, apenas 111 concelhos têm médicos dentistas nos centros de saúde, o que representa menos de metade do território, informa o JC. Para atrair mais dentistas ao SNS, Miguel Pavão defende a criação de uma carreira especializada “para haver uma integração plena e real dos médicos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados
Skip to content