Foto de Recantos de Portugal em fotos | Facebook

O Núcleo Concelhio do Bloco de Esquerda no Fundão dirigiu várias perguntas à Câmara Municipal sobre alguns contratos públicos realizados pela autarquia. Está em causa, por exemplo, o Palácio do Picadeiro. Os bloquistas querem esclarecimentos. 

No documento que o Interior do Avesso teve acesso, o Bloco dirigiu três questões à autarquia do Fundão onde estão em causa alguns contratos públicos, como por exemplo sobre o Palácio do Picadeiro, com o Jornal do Fundão e sobre o fornecimento de material publicitário.

Sobre o Palácio do Picadeiro, o Núcleo refere que “temos conhecimento que o Palácio do Picadeiro, hoje em dia, sofre de problemas estruturais, como por exemplo a queda de teto e de alguns vidros, mas também o material gráfico exposto está claramente desatualizado” e assim questionam “para que foi utilizada esta verba”. Em causa estão 74 mil euros para “Serviços de Consultoria com ideia Central Expositiva com Renovação e Produção de Conteúdos Gráficos destinados à concretização do Projeto Expositivo Palácio do Picadeiro”.

Também querem saber o objetivo do ajuste direto feito com o Jornal do Fundão, no valor de 64 mil euros e com duração de 2 anos relativo ao “Plano de Conteúdos Media, Publicidade e Comunicação Institucional do Município do Fundão”. O Bloco quer saber “o objetivo deste contrato e para que vai ser destinada, em específico, a verba. Acreditam que “este contrato merece de um cabal esclarecimento.”

Por fim como última questão e através de consulta prévia afirmam que “no dia 23 de Abril de 2020 foi celebrado um contrato de fornecimento entre o Município do Fundão e a empresa MM, Publicidade Ilimitada com o objetivo desta última fornecer diverso material publicitário para eventos e vestuário de trabalho à autarquia no valor de 74 mil euros”. O Núcleo pretende esclarecer “para que foi destinada esta verba e quais foram as restantes empresas que participaram na consulta prévia”.

(Escrito por DG)

Deixe o seu comentário

Skip to content