A decisão deve-se à aceleração do número de casos confirmados de Covid-19. O encerramento da unidade da PSA Mangualde será feito amanhã, dia 18. O Grupo Aquinos, que conta com unidades em Nelas, Carregal do Sal e Tábua, suspendeu a produção hoje e fará ponto de situação na sexta-feira.

O grupo francês PSA, que conta com uma fábrica em Mangualde, e o Grupo Aquinos que conta com unidades fabris em Nelas, Carregal do Sal e Tábua, decidiram encerrar as fábricas.

A fábrica de Mangualde fecha amanhã, dia 18, e os Aquinos – produtores de sofás e colchões e um dos maiores empregadores da zona centro – encerram hoje. 

A decisão foi divulgada pelas respectivas empresas, que já tiveram que lidar com problemas semelhantes, sobretudo a PSA, quando o Covid-19 começou a afetar a economia chinesa. Agora, trata-se de lidar com a pandemia na Europa, uma situação que fica a dever-se ao elevado número de casos de contágio “nas proximidades de alguns centros de produção” e também a “interrupções nos fornecimentos dos grandes fornecedores”. 

O grupo francês, que tem 1000 pessoas ao serviço em Mangualde, continuará este processo faseado de encerramento temporário pela Europa fora até dia 27 de Março. A unidade de Mangualde é a segunda maior produtora de automóveis em Portugal.

O Grupo Aquinos, com sede em Tábua, vende sofás e colchões para mais de 40 países de todo o mundo, com maior incidência na Europa. Com fábricas em vários concelhos da região Centro (Carregal do Sal, Nelas e Tábua), além de unidades fabris em França, Polónia e em Shenzhen  e Hong Kong (China). Os Aquinos empregam atualmente 4000 pessoas, das quais 3200 em Portugal. 

 

(Escrito por DG)

Deixe o seu comentário

Skip to content