A Ecopista do Dão está altamente degradada nos concelhos de Santa Comba Dão e Tondela
A Ecopista do Dão, no seu percurso pelos concelhos de Santa Comba Dão e Tondela, encontra-se num estado de degradação preocupante e perigoso para os utentes que utilizam esta referência turística e desportiva da região.

Os incêndios de Outubro de 2017 vieram agravar uma situação já de si lastimável, e o estado de abandono que se verificava evoluiu para uma acentuada degradação não havendo até à data qualquer intervenção de requalificação.

As vedações de madeira que acompanham todo o percurso da Ecopista e que deviam assegurar a segurança do percurso continuam completamente queimadas e degradadas sem haver qualquer tipo de proteção nas bermas. Os parques de convívio e circuitos de manutenção encontram-se completamente destruídos. A manutenção das zonas verdes também não é feita, o que já levou a denúncias de utentes devido a lesões e acidentes provocados por zonas de mato cerrado.

(Escrito por DG)

A Ecopista do Dão como referência da região
A Linha do Dão foi das primeiras vias-férreas de bitola estreita de Portugal, tendo sido inaugurada a 25 de novembro de 1890. Com início na estação de Santa Comba Dão, onde intersetava a Linha da Beira Alta, a Linha do Dão viria ainda a passar por Tondela, atravessando as terras do Dão, até chegar à estação de Viseu numa extensão total de 49,2 Kms. Em agosto de 1972, o serviço de mercadorias foi suspenso, sendo a Linha do Dão totalmente encerrada em 25 de setembro de 1988. Entre 1997 e 1999 os carris foram levantados, bem como o balastro e as travessas, tendo todo o património edificado ficado ao abandono.
A Ecopista do Dão beneficiou-se de fundos comunitários europeus e desenvolveu-se ao longo do antigo ramal ferroviário do Dão, numa extensão de 49,2 Kms, atravessa os concelhos de Viseu, Tondela e Santa Comba Dão. Esta infraestrutura integra a rede nacional de Ecopistas que se articulam entre si através de outros corredores verdes para a promoção do turismo de natureza e o turismo cultural e paisagístico. A Ecopista, em si mesma, é já um elemento físico estruturante ao qual podem ser agregadas outras infraestruturas de animação turística e desportiva, assim como, agentes económicos prestadores de serviços tendo até recebido um prémio europeu de excelência em 2013.
Hoje em dia, é uma infraestrutura abandonada na maioria do seu percurso.

As promessas de investimento e a requalificação no concelho de Viseu
Em Março de 2018 foi anunciado pelo Governo um investimento de um milhão de euros para unir a Ecopista do Dão a Penacova e assim transformar a Ecopista no maior percurso da Europa com estas características na Europa. Em Junho de 2018, o Presidente da Câmara de Tondela anunciou a requalificação da Ecopista nos dois concelhos afetados pelos incêndios através de fundos procedentes da CIM Dão Lafões, mas ainda não avançou qualquer tipo de obra e o percurso continua degradado, perigoso e totalmente ao abandono. No percurso pertencente ao concelho de Viseu a realidade é diferente e bem visíveis qas obras de manutenção e requalificação para manter a Ecopista num estado digno e minimamente utilizável.

Deixe o seu comentário

Skip to content