Foto de Bloco de Esquerda - Lamego

A candidatura ao órgão fiscalizador do município é encabeçada por Carolina Leite, mas “reflete um projeto coletivo que junta diversas pessoas de diferentes ideias e com diferentes ligações ao concelho de Lamego”. 

Em nota de imprensa, o Bloco Esquerda anuncia a sua candidatura à Assembleia Municipal de Lamego, que foi oficializada hoje no tribunal da cidade. A lista é encabeçada por Caroline Leite, mas “reflete um projeto coletivo que junta diversas pessoas de diferentes idades e com diferentes ligações ao concelho de Lamego”. 

O Bloco lembra que “durante o mandato de 2017-2021, ainda sem representatividade nos órgãos autárquicos interveio em diversos assuntos locais, nomeadamente questões ambientais, saúde, transportes, educação e ação social”. 

Um dos exemplos são “as sucessivas descargas ilegais de efluentes efetuadas no rio Balsemão (Bairro da Ponte). Descargas, que o Bloco denunciou duas vezes junto do SEPNA, da APA e da Câmara Municipal sem nunca ter obtido uma resposta. Atualmente, a zona do rio Balsemão afeta a banhos encontra-se interdita a todas as atividades lúdicas”. 

Também lembram a situação em Sampaio, na freguesia de Penajóia, derivada da falta de saneamento e abastecimento de água pública. “Ouvimos e falamos com a população, questionamos a Câmara Municipal que acabou por iniciar as obras de transporte e tratamento de águas residuais no ano transato”, referem. 

O Bloco considera que a Assembleia Municipal de Lamego necessita de “uma voz que faça a diferença no quadro político bipartidário e que agite o marasmo lamecense”. 

Terminam afirmando que “candidatamo-nos à Assembleia Municipal com propostas concretas e que visam um Concelho mais justo, mais igualitário, mais sustentável. Para a candidatura do Bloco de Esquerda é urgente a criação de um gabinete de apoio às vítimas de violência doméstica e pessoas LGBTQI+ e, neste âmbito, a criação e efetiva implementação de políticas públicas de igualdade de género. É essencial garantir que todos e todas os munícipes tenham acesso a rede de abastecimento de água e, ainda, que o preço desta seja justo. É igualmente importante trabalhar para a fixação de jovens no Concelho e, para isso, garantir que estamos dotados de serviços públicos de qualidade, nomeadamente saúde, educação e transportes. Por último, garantir a boa conservação dos cursos de água e estimular a cultura serão também propostas pelas quais nos debateremos”.

Deixe o seu comentário

Skip to content