Macedo de Cavaleiros, Tondela, Viseu e Lamego com 90% das obras do Portugal 2020 por fazer

Viseu PEDU

O balanço dos investimentos municipais comparticipados pelos fundos do Portugal 2020, à data de 31 de agosto, revelam que Macedo de Cavaleiros, Tondela, Viseu e Lamego apenas têm taxa de execução de 10%.

Segundo notícia do Expresso, em todo o país, com taxa média de 33%, há 11 municípios com apenas 10% de execução nos Planos Estratégicos de Desenvolvimento Urbano (PEDU) das cidades de maior dimensão. Este é o caso do Barreiro, Alenquer, Oliveira de Azeméis, Marinha Grande, Santarém, Évora e Oeiras,  além de Macedo de Cavaleiros, Tondela, Viseu e Lamego.

Em causa estão obras que incluem a reabilitação de edifícios e equipamentos públicos, a requalificação de espaços públicos e zonas verdes e outros projetos que visam a regeneração e a mobilidade das cidades e das comunidades urbanas.

Quase sete anos depois do início do atual quadro comunitário, e a apenas um ano das eleições autárquicas, o conjunto dos 50 municípios de maiores dimensões, abrangidos por este programa, ainda só aplicou €256 milhões dos €770 contratualizados com as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR), segundo o Expresso.

1 comment
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
cvi
Ler Mais

Vila Real junta-se à Marcha pela vida independente

É já este sábado, junto à Estação de Vila Real, que terá início a marcha pela vida independente. Com o projeto-piloto de apoio à vida independente a chegar ao fim e nova legislação prometida, pretende-se fazer ouvir a voz das pessoas que precisam de assistência pessoal. Uma mobilização com o lema: “A vida independente tem de ser para toda a gente”.
Multibanco
Ler Mais

24 freguesias particularmente vulneráveis se ficarem sem multibanco ou agência bancária

Algumas freguesias dos distritos de Bragança, Beja, Castelo Branco, Faro e Vila Real podem ficar em situação “especialmente crítica” caso haja contração adicional da rede diz Banco de Portugal. O banco central acredita ser necessário “preservar a liberdade de escolha entre instrumentos de pagamento e a inclusão financeira”. Artigo esquerda.net.
Skip to content