Mina de Montalegre em consulta pública a partir de 14 de fevereiro

A consulta pública do Estudo de Impacte Ambiental da mina de lítio “Romano”, da Lusorecursos, estará em consulta pública até dia 25 de março. 

A consulta pública do Estudo de Impacte Ambiental da mina de lítio “Romano”, da Lusorecursos, estará em consulta pública até dia 25 de março. 

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) indicou, através de um edital citado pela Lusa, que se “encontra a decorrer o processo de licenciamento único de ambiente” do projeto “Concessão de Exploração de Depósitos Minerais de Lítio e Minerais Associados – «Romano» – sujeito ao procedimento de Avaliação de Impacte Ambiental (AIA)”. 

A documentação para consulta pública encontra-se disponível durante 30 dias, de 14 de fevereiro até 25 de março de 2022, no Portal Participa

A Montalegre Com Vida disse que a empresa Lusorecursos submeteu o EIA “por três vezes, nas duas primeiras foi devolvido por falta de elementos e na terceira vez foi considerado desconforme, a 19 de agosto de 2021, por ser metodologicamente distinto e divergente do inicialmente submetido, tendo por isso finalizado a respetiva AIA”. 

A associação apontou que “cinco dias após ter sido considerado desconforme”, a empresa entregou um novo estudo que passou “a ser considerado conforme”, pelo que a APA deu “início a um novo procedimento de AIA”, concluindo que “à quarta foi de vez” e que “se Maomé não vai à montanha vai a montanha a Maomé”. 

A mina abrange os territórios das aldeias de Morgade, Rebordelo e Carvalhais. 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Dossier Águas do Planalto - A Fraude Instalada na AMRPB
Ler Mais

Águas do Planalto: A fraude instalada na AMRPB

Após o MUAP ter feito uma queixa à Comissão de Acesso aos Dados Administrativos (CADA) porque a Associação de Municípios da Região do Planalto Beirão (AMRPB) não queria facultar documentos financeiros relativos à atividade da associação, a CADA deu razão ao MUAP e esse documentos acabaram por chegar às mãos do coletivo de defesa dos utentes.
Skip to content