A moção apresentada pelo Bloco de Esquerda reivindica a inclusão de Viseu na Rede Ferroviária Nacional através da ligação Aveiro-Viseu-Mangualde. A proposta foi aprovada por unanimidade na Assembleia Municipal de Viseu desta sexta-feira.

A moção defende que a ligação de Aveiro a Mangualde, com paragem no concelho de Viseu, seria “um importante melhoramento na mobilidade nas Beiras”. Com esta ligação, Viseu passaria a estar presente no “mapa ferroviário internacional e melhoramos a ligação entre os vários concelhos servidos por comboio nas beiras, diminuindo a distância entre este e entre eles e o litoral.”

A ligação em causa está prevista na apresentação feita pelo Governo, a 19 de Abril de 2021, do processo para a criação do Plano Ferroviário Nacional. Mas a moção apresentada pela representante do Bloco, Catarina Vieira, alerta para que “esta apresentação é, para já, isso mesmo, uma apresentação. Precisamos colocar o acesso a Viseu nas prioridades do futuro Plano Ferroviário Nacional.”

Apesar da apresentação do Governo, houve quem, “no distrito de Viseu e com responsabilidades políticas”, tenha descredibilizado a solução dizendo que “tem dúvidas de que a nova linha ferroviária Aveiro-Mangualde seja uma realidade“, referindo-se a declarações recentes de José Rui Cruz, deputado do PS na Assembleia da República

“É necessária uma visão e uma proposta modernizadora de toda a rede ferroviária, bem como realizar os investimentos necessários para que o transporte ferroviário substitua efectivamente o transporte rodoviário em ordem a atingir as premissas constantes nos objectivos europeus para a neutralidade carbónica e nos acordos internacionais para a descarbonização da economia assinados pelo Estado Português”, pode ainda ler-se no documento aprovado.

Para atingir estes objetivos é “importante a requalificação integral da Rede Ferroviária Nacional (RFN), o reforço e extensão da RFN nos territórios deficitários de transporte ferroviário, o reequilíbrio da repartição modal entre os vários modos de transporte e a correção das assimetrias e o reforço da coesão social e territorial.”

Com a aprovação unânime da moção, a Assembleia Municipal de Viseu

  • “Pronuncia publicamente a sua posição inequívoca sobre a necessidade de ligar Viseu à Rede Ferroviária Nacional;
  • Pronuncia publicamente a sua posição inequívoca sobre a importância estratégica para toda a região e para o país da ligação Aveiro-Viseu-Mangualde;
  • Pronuncia publicamente a vontade de ver esta ligação nas principais prioridades do Plano Ferroviário Nacional;
  • Delibera enviar esta moção para os contributos do processo do Plano Ferroviário Nacional;
  • Delibera enviar esta moção às várias entidades intermédias – CIM Dão Lafões e CCDR Centro;
  • Delibera enviar esta moção aos vários partidos com assento na Assembleia da República;
  • Delibera enviar esta moção para os órgãos de Comunicação Social.”

Bloco de Esquerda incluiu Viseu num Plano Ferroviário Nacional em 2019

O Bloco de Esquerda apresentou o PROJETO DE LEI Nº 1204/XIII/4ª, em Abril de 2019, propondo já então a criação de um Plano Ferroviário Nacional. A proposta foi chumbada na Assembleia da República.

O projeto propunha a criação do Corredor Internacional Norte: Porto/Aveiro-Viseu-Mangualde-V.Formoso-Salamanca, que implicava a criação de uma nova linha de Aveiro a Mangualde, com paragem em Viseu, seguindo depois pelo traçado a reabilitar para este fim, da linha da Beira Alta.

Viseu é a maior cidade da Europa sem ligação ferroviária

“Aqui, infelizmente somos ‘Viseu Primeiro’”, lê-se na moção. O concelho de Viseu já foi servido por duas linhas ferroviárias, a Linha do Vouga e a Linha do Dão. “A estação de Viseu foi inaugurada em 25 de novembro de 1890, como fim do percurso da Linha do Dão. A ligação à linha do Vouga aconteceu a 5 de Setembro de 1913.”

“Depois de muitos altos e baixos”, a ligação ferroviária a Viseu terminou, de modo definitivo até hoje, em 1990, durante o governo de Cavaco Silva. “Durante décadas, de comboio, apenas sobrou a discussão, a vontade e muitas promessas.”

Deixe o seu comentário

Skip to content