Foto por Pedro Miguel | Facebook

A supressão do serviço de expresso entre Vinhais e Porto fez notícia a passada semana em vários orgãos de comunicação social.

Em declarações ao Interior do Avesso o Dr. Miguel Nogueira, responsável da empresa Auto Viação do Tâmega, informou que, apesar dessa intenção, neste momento está a decorrer um teste a pedido da Câmara Municipal de Vinhais para aferir o real número de passageiros a usar essa ligação. Assim, durante os meses de julho e agosto existe uma ligação de Vinhais para Mirandela de manhã, pelas 6h50, e uma no sentido inverso ao fim da tarde, pelas 18h30.

A 1 de julho deste ano a Auto Viação do Tâmega concessionou o serviço da Rede Expressos, mas, segundo Miguel Nogueira, “no momento que entrámos na Rede de Expressos a Rede de Expressos não tinha interesse em entrar no serviço de expressos local, e óbvio que nós tivemos que integrar e seguir as regras da Rede de Expressos”. O responsável da empresa diz que têm de fazer uma gestão com uma ótica financeira, admitindo que a linha em questão não era do interesse da empresa, uma vez que “já sabíamos o movimento que tinha”, mas entende as questões sociais e políticas que surgem por parte da Câmara Municipal de Vinhais e da CIM Terras de Trás-os-Montes.

Apesar das declarações do Sr. Presidente da autarquia de Vinhais à Rádio Brigantia, em que lamenta a situação mas afirma que “é uma situação que nós município não podemos fazer nada”, está a ser estudada e debatida uma solução entre a Câmara Municipal de Vinhais, a CIM Terras de Trás-os-Montes e a empresa Auto Viação do Tâmega.

Independentemente dos resultados deste dois meses de “estudo”, julho e agosto, meses pouco representativos das necessidades das populações, o Dr. Miguel Nogueira avança que será necessário um reforço do serviço a partir de setembro que sirva tanto os estudantes como a população local. Porém, sendo a Auto Viação do Tâmega uma empresa privada, esse reforço terá de surgir de um compromisso político e de investimento público por parte da autarquia ou da CIM.

Deixe o seu comentário

Skip to content