Parque Natural do Montesinho | Foto por Amador Loureiro | Flickr

A associação ambientalista Quercus fez chegar um parecer negativo ao processo de auscultação pública para a instalação da uma exploração mineira de Valtreixal, em Espanha, junto à fronteira com Bragança.

Segundo notícia da Lusa, citada pel’A Voz de Trás-os-Montes, a Quercus junta-se assim a outras associações e movimentos, tanto portugueses como espanhóis, que têm contestado nos últimos dias o projeto que esteve em discussão pública até 21 de agosto.

O projeto visa a exploração a céu aberto de estanho e volfrâmio na mina Valtreixal de Sanábria, suspensa na década de 1970, localizada em Calabor, Pedralba de la Pradería, a meros cinco quilómetros de Rio de Onor, no concelho de Bragança.

A proximidade da zona de exploração com zonas protegidas como o Parque de Montesinho, em Portugal e a apenas dois quilómetros da área, e a Serra da Culebra, do lado espanhol, têm sido um dos principais argumentos dos contestatários.

Segundo a Lusa, a Quercus fez saber ontem que “emitiu parecer negativo à proposta” com base “nos graves efeitos negativos no ambiente natural protegido pelas diretivas europeias e na população local”.

A associação espera ainda que o Estado português, que tem que ser ouvido no processo por se tratar de uma zona de fronteira com impactes nos dois lados, venha a emitir “uma Declaração de Impacto Ambiental (DIA) negativa” ao projeto.

Alerta ainda para “as espécies ameaçadas existentes na zona, como a Verdemã do norte, a Toupeira-de-água, o Lobo Ibérico, a Águia-real e o Urso pardo”, e para os impactos negativos em cursos de água comuns.

Conforme o Interior do Avesso já noticiou, em Portugal, também a Palombar – Conservação da Natureza e do Património Rural e o Fapas (Fundo para a Proteção dos Animais Selvagens) já anunciaram ter-se pronunciado contra o projeto. Assim como o Bloco de Esquerda de Bragança que, em comunicado, demonstrou preocupação com o projeto.

Deixe o seu comentário

Skip to content