Os tatuadores continuam sem saber quando podem recomeçar a reabrir os seus serviços, o que originou uma petição com mais de 4.000 assinaturas e uma pergunta ao governo apresentada pelo Bloco de Esquerda.

“Fiscalmente sempre estivemos incluídos no CAE dos cabeleireiros, esteticistas e barbeiros, mas quando deixaram estes profissionais voltar à atividade puseram-nos de lado“, disse em declarações à Lusa um dirigente da Associação Portuguesa de Profissionais de Tattoo e Bodypiercing (APPTBP).

Este descontentamento levou à criação de uma petição que recolheu mais de 4.000 assinaturas e que propõe um “regresso gradual à sua actividade” evitando assim que esta esteja “condenada ao fracasso económico”. Propõe ainda 10 medidas de contenção dos estúdios de forma a minimizar a propagação da Covid-19.

Por sua vez, o Bloco de Esquerda considera “importante ter em consideração que este é um sector onde prevalecem as microempresas e que desde sempre foram aplicados rigorosos cuidados de limpeza e higiene, sendo um fator determinante para o sucesso destes negócios”.

Através de uma pergunta entregue pela deputada Isabel Pires o Bloco incita o governo a “avaliar as medidas de prevenção apresentadas pelo sector” questionando qual o prazo previsto para a reabertura deste, bem como se está disponível para rever essa data.

Deixe o seu comentário

Skip to content