Trabalhadores das prestadoras de serviços da EDP em greve hoje e amanhã

Ação reivindicativa abrangerá os trabalhadores das lojas da EDP de todo o país e os vários call centers, nomeadamente de Seia (Adaptado de Esquerda.net)
Trabalhadores em luta no call center de Seia. Foto do Fiequimetal, através de Esquerda.net

A Fiequimetal convocou uma greve dos trabalhadores das empresas prestadoras de serviços à EDP para esta terça e quarta-feira. Umas das principais reivindicações são aumentos salariais, exigindo-se um pelo menos mais 150 euros este ano.

Para além disso, exige-se “que, para tarefas iguais, sejam garantidos salários e direitos iguais, aplicando a todos os trabalhadores o Acordo Colectivo de Trabalho da EDP”, segundo esta federação sindical.

A estas reivindicações, houve uma “resposta nula por parte das entidades patronais e da própria EDP” e é por isso que estes trabalhadores regressam à luta.

Esta ação reivindicativa abrangerá os trabalhadores das lojas da EDP de todo o país e os vários call centers como os de Lisboa, Elvas e Seia.

O coordenador desta federação sindical, Rogério Silva, afirmou à Lusa que há uma “necessidade urgente de valorizar os salários” e que “as funções dos trabalhadores deste setor são imperativas”.

Esta estrutura anuncia também uma ação de protesto relativamente à “atitude da EDP e das empresas prestadoras” que vai decorrer na quarta-feira, em Seia, em frente ao call center.

Também somos EDP”

Os trabalhadores das empresas que prestam serviços à EDP têm vindo a desenvolver um processo de luta prolongado pretendendo equiparação de salários e direitos aos que trabalham com vínculo direto com o Grupo EDP. O seu objetivo é igualmente deixarem de ser precários, alguns “há mais de vinte anos” e serem integrados nos quadros das empresas para as quais “efetivamente trabalham”.

Daí que, o ano passado, tenham lançado uma campanha nacional sob o lema “Também somos EDP!” que contou com várias ações por todo o país e com um  em apoio das suas reivindicações. Alega-se que se “as tarefas e responsabilidades são iguais” “devem ser iguais os salários e os direitos” e questionava-se a “pressão sobre os postos de trabalho para efetuar vendas por objetivos, tempos de atendimento, etc.”

Notícia de Esquerda.net

Related Posts
Ler Mais

Língua Gestual Portuguesa: “cabe à maioria acomodada, romper barreiras”

A Língua Gestual Portuguesa, uma das três línguas oficiais do território português, esteve em destaque num workshop, na Biblioteca Municipal de Carregal do Sal, com  Ângela Abreu, da Afomos (Associação de Profissionais de Lecionação da Língua Gestual). A iniciativa foi promovida pelo Bloco de Esquerda de Carregal do Sal.
Skip to content