Foto de Covibus | Manuel Castelão | Facebook

A União de Sindicatos de Castelo Branco pede que a redução seja feita a partir de janeiro de 2021. Em novembro, foram entregues cerca de 2 mil assinaturas das populações de Belmonte, Covilhã, Fundão e Guarda a exigir a reposição dos descontos nos apoios à mobilidade.

Num ofício citado pela Lusa, o coordenador da União de Sindicatos de Castelo Branco (USCB), Sérgio Santos, exige uma “informação clara, concreta e atempada” sobre se vai existir reposição dos valores dos passes sociais por parte da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIMBSE). 

No documento pode ler-se: “Nós exigimos que já neste mês (janeiro) o preço dos passes deve ser reduzido às populações de todo o território e não apenas nos transportes urbanos, incluindo nas ligações entre concelhos e, caso o não o façam neste mês, deve ficar muito claro que a redução deve ter efeitos retroativos a janeiro e devem encontrar uma forma de devolver o dinheiro pago a mais entre setembro e dezembro de 2020”.

Lembramos que em novembro, a USCB entregou à CIMBSE uma petição com perto de 2 mil assinaturas das populações de Belmonte, Covilhã, Fundão e Guarda, onde pedem a reposição dos apoios à mobilidade, no âmbito das reduções dos passes sociais nos transportes públicos rodoviários no território abrangido pela CIM. 

Desde o início de setembro que a CIMBSE decidiu conceder o apoio de “50% do preço, mas limitado a pessoas em situação de carência económica que terá de ser comprovada pela Câmara Municipal da residência” quando até esta altura o apoio era de “40% do seu preço a aquisição de passses normais e, em 60% nos casos em que o adquirente tivesse mais de 65 anos ou menos de 23”. 

Estas mudanças foram decididas no âmbito do PART – Programa de Apoio à Redução Tarifária pelo conselho intermunicipal da CIM. Para o sindicato, “a CIMBSE tirou aos pobres para dar aos ricos”. 

A USCB informa que contataram os grupos parlamentares para abordarem o assunto em sede de Orçamento de Estado. O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda já fez três pedidos de reunião com a CIM, tendo obtido resposta de indisponibilidade no primeiro e sem obter respostas dos dois últimos pedidos, o último pedido seria para dia 24 de novembro. A CIM só agora respondeu e a reunião será realizada no dia 11 de janeiro de 2021. 

A USCB refere que “não há mais desculpas” e acrescentam que “a CIMBSE deixa de poder argumentar com a falta de dinheiro, e em consequência, deve proceder à redução do preço dos passes e à reposição dos valores que indevidamente fez pagar aos utentes”. 

Relacionados:

Deixe o seu comentário

Skip to content