Mina de ouro a 500 metros da zona classificada do Alto Douro Vinhateiro tem luz verde da APA

A APA – Agência Portuguesa do Ambiente deu parecer Favorável Condicionado à Declaração de Impacto Ambiental para a mina do Numão (concelhos de Vila Nova de Foz Côa e São João da Pesqueira), a 500 metros da área classificada do Alto Douro Vinhateiro e integralmente na Zona Especial de Protecção do Alto Douro Vinhateiro.
Mina
Mina

A APA – Agência Portuguesa do Ambiente deu parecer Favorável Condicionado à Declaração de Impacto Ambiental para a mina do Numão (concelhos de Vila Nova de Foz Côa e São João da Pesqueira), a 500 metros da área classificada do Alto Douro Vinhateiro e integralmente na Zona Especial de Protecção do Alto Douro Vinhateiro.

Segundo o Público, a Minaport vê assim a concessão para exploração de depósitos minerais de ouro, prata, chumbo, zinco, cobre, antimónio, estanho e volfrâmio ser aprovada, embora condicionada a medidas de minimização a executar ao longo das várias fases do projecto.

De acordo com os proponentes, refere o periódico, está previsto que a exploração da mina seja feita em galeria (lavra subterrânea), com uma vida útil de cerca de 10 anos. A lavaria será também instalada no local e o ouro concentrado será expedido em “big bags de cerca de 1500 quilos”, expedidos depois para o porto de Leixões, numa quantidade de três a quatro camiões por dia.

A empresa Minaport, está, porém, com problemas financeiros desde 2019, adianta o Público, que, na altura, questionou o Governo sobre a necessária idoneidade financeira da empresa para manter a titularidade de concessões. Em resposta, fonte do Ministério do Ambiente garantiu que a DGEG – Direcção Geral de Energia e Geologia tem a informação necessária e estava a acompanhar o processo.

Em concreto, sabe-se que a Minaport entregou em julho de 2020, no Tribunal de Foz Côa, um PER – Processo Especial de Revitalização, que foi aprovado, permitindo, por exemplo, que os funcionários da empresa estivessem em layoff. Contudo, o investidor esperado acabou por não concretizar o negócio e os credores avançaram para um pedido de insolvência, declarada numa sentença de 7 de Setembro.

Depois do sucedido, o Público voltou a questionar o Ministério do Ambiente acerca da titularidade destas concessões. A resposta foi que, na sequência da declaração de insolvência, a Minaport havia comunicado à DGEG a intenção de apresentar um plano de recuperação. Com este propósito, esclarece ainda que “está a concluir a negociação para a oneração do capital social, condicionada à aceitação por parte da DGEG dessa alteração do controlo na sequência de requerimento que irá apresentar para o efeito”. 

Governo assina 14 concessões mineiras, incluindo exploração de lítio na Argemela e de volfrâmio em Montalegre

1 comment
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Skip to content