Foto por Juntos contra a pedreira | Facebook

A reativação de uma pedreira em Fiais da Telha, no concelho de Carregal do Sal, está a preocupar a população, que vai manifestar-se no dia 29 de Fevereiro. Bloco de Esquerda já levou o assunto à Assembleia da República.

O local em questão, para além de estar muito próximo de terrenos agrícolas e de áreas de pastagem, situa-se numa das zonas mais sensíveis do concelho onde existem espécies endémicas protegidas da Rede Natura 2000, como o Narciso do Mondego, e em pleno Circuito Pré-Histórico Fiais/Azenha que reúne uma grande quantidade de dólmens e orcas. 

A pedreira encontra-se desativada há mais de 40 anos, mas uma empresa pretende colocá-la a funcionar de novo. A Câmara Municipal de Carregal do Sal já emitiu um parecer negativo, no ano passado, à reativação da pedreira. 

A empresa já esteve instalada na pedreira, mas viu-se obrigada a abandonar o local porque, segundo uma fonte local, não teria licença para realizar a empreitada mesmo que a licença não dependa do Município, mas sim da CCDR-C. 

A população de Fiais da Telha vai manifestar-se no dia 29 de Fevereiro às 10:30h, iniciativa organizada pelo Movimento Juntos contra a Pedreira, contra a reativação da pedreira no acesso à mesma. 

O Bloco de Esquerda, que conta com um eleito na Assembleia Municipal de Carregal do Sal, já avançou com uma pergunta ao Governo  e uma reunião com o Executivo Municipal. Diego Garcia, deputado municipal do Bloco, afirma que “não há garantias que a pedreira não seja ali instalada, mesmo que se tivessem retirado temporariamente do local, na reunião com a Câmara Municipal não houve garantia que a pedreira não se instale nos Fiais, a licença depende da CCDR-C e por isso é necessário fazer o máximo de pressão possível. Daí saudarmos a iniciativa da população dos Fiais da Telha de manifestar-se contra aquele atentado ambiental e social”. 

 

(Escrito por DG)

Deixe o seu comentário

Skip to content