O antigo Presidente da Câmara Municipal de Santa Comba Dão, João Lourenço, é acusado de abrir concurso público em obras que já tinham sido executadas e de as propor a fundos comunitários posteriormente. João Lourenço negou em tribunal o favorecimento em mais de 700 mil euros à construtora Embeiral, ao contrário do que defende o empresário da construtora que já admitiu o pagamento por obras não realizadas.

Segundo notícia do Jornal do Centro, João Lourenço referiu na sessão de julgamento que “isso deve ser um filme de ficção. Isto é mentira, eu sou uma pessoa de bem, não faço favores a ninguém”. No entanto, António Carlos Lemos, empresário da construtora Embeiral, já tinha admitido que obteve pagamento por obras não realizadas.

O ex-autarca refere que sabe que “há muita gente que gostava de me ver no caixão” afirmando nada saber sobre o concurso.

Tendo em conta uma notícia do JN, o ex-autarca afirmou sofrer de doença de Alzheimer e que por isso não se recorda. O ex-autarca já tinha faltado a uma sessão após o seu advogado ter entregue um relatório clínico que diz que foi diagnosticado ao ex-autarca Alzheimer, doença que se encontrará em estado ligeiro.

A acusação do Ministério Público afirma que foram recebidos por parte da Câmara Municipal mais de 725 mil euros em fundos comunitários e que pagou 688.870,55 euros, por obras que a empresa não teria executado.

Já o ex-Presidente de Santa Comba Dão é, segundo o Jornal do Centro, “acusado de crime de prevaricação de titular de cargo político, dois crimes de fraude na obtenção de subsídios, um deles na forma tentada, e um crime de falsificação de documentos.”

Deixe o seu comentário

Skip to content