A situação de doentes acumulados nos corredores do Serviço de Urgência do Hospital da Guarda está mais organizada, mas ainda no limite. Com a retenção de macas no interior do Hospital, as ambulâncias de socorro ficam inoperacionais enquanto aguardam pela devolução.

Imagens da noite de terça-feira divulgadas pela SIC, mostravam o Hospital da Guarda em situação de rutura. As imagens mostravam o estado limite da Urgência Geral, onde os doentes se acumulavam em macas nos corredores, por falta de camas no internamento.

Entretanto, o Hospital da Guarda anunciou um novo plano e a situação melhorou ontem, de acordo com notícia da RTP. No entanto, apesar de uma maior organização, a situação continua a ser de limite.

Adelaide Campos, Diretora Serviço de Urgência Hospital da Guarda, explicou à RTP que o problema “não é só o número de doentes que chegam, também o número de profissionais que estão em exaustão, os médicos estão muito cansados, os enfermeiros estão muito cansados, é aquilo que nós neste momento podemos dar”.

A acumulação de doentes em macas no interior das Urgências torna ainda evidente um outro problema: as ambulâncias de socorro que aguardam a devolução das macas têm que ficar paradas. Segundo a RTP, da parte dos bombeiros há alguma compreensão, mas lembram que o meio de socorro fica inoperacional.

 

 

Saúde e Cuidados: as prioridades de 2020 [Dossier]

Proposta do Bloco para a requalificação dos pavilhões Dona Amélia e 5 do Hospital da Guarda foi aprovada

 

Deixe o seu comentário

Skip to content