Foto por Forma-te Portal Dos Formadores | Facebook

O Bloco de Esquerda de Vila Flor, em comunicado, exige “medidas mais corajosas” para combater o aumento significativo do número de desempregados no Concelho de Vila Flor, revelado com os últimos dados do IEFP.

O Bloco de Vila Flor assume-se “preocupado com este aumento significativo”, bem como “com os impactos negativos que terá na economia local, colocando mais pessoas numa situação frágil e a necessitar de apoio, principalmente num momento em que atravessamos uma crise pandémica.”

Entre julho de 2019 e o período homólogo de 2020 registou-se um aumento de 51,5% no número de desempregados registados no concelho de Vila Flor, passando de 200 para 303. Tendência verificada também nos dados de setembro, “visto que, nos dados de setembro de 2020 o número de desempregados no concelho cifra-se nos 309, uma subida de 25,61% face a setembro do ano transato.”

O Bloco considera evidente a influência da crise pandémica neste aumento, que também ocorre em praticamente todos os outros concelhos, “mas também é certo que o concelho de Vila Flor tem o maior aumento quando comparados os meses de julho de 2019 e 2020 e o segundo maior aumento quando comparamos os dados de setembro destes dois anos consecutivos, só superado por Bragança.”

“É em tempos de crise”, defende o Bloco de Esquerda de Vila Flor, “que são necessárias as medidas mais corajosas de contra corrente”. Uma das medidas que poderia “mitigar estes números” é “a tão aguardada “Zona Industrial” ou “Zona oficinal” que há décadas é falada mas não executada […], dando outras condições às pequenas e médias empresas e abrindo possibilidades a outras que se queiram instalar.”

 

Ver também:

Desemprego no Interior continua a crescer

Bragança: Número de desempregados sobe no distrito no último ano

Deixe o seu comentário

Skip to content