Foto de RTP | Flickr

Lembro-me nas tardes de Verão da minha juventude, passados na minha aldeia natal em  Vinhais, de haver uma pausa especial que diariamente se observava e se antecipava: o dos  blocos informativos “País País”, e sobretudo o que se lhe seguia, o “País Regiões”. Eram rubricas  de informação que passavam na RTP, os quais, ao contrário dos Jornais da Tarde e da Noite, se  debruçavam em informações apenas nacionais, e com interesse para as comunidades. O País  Regiões então desdobrava-se, grosso modo, entre as províncias nacionais, cada qual vendo a  sua própria versão. E era um gosto enorme ver a televisão pública a apresentar notícias  referentes exclusivamente ao meu Trás-os-Montes – isto é, não apenas feiras gastronómicas ou  a visita da GNR a idosos isolados. 

Mas entretanto isso acabou. Se a memória não me falha, terminou primeiro o País Regiões, e  depois o próprio País País. Entrámos na era do copy paste e das fake news, e de repente “notícias  regionais” voltaram a soar a provincianismo, a pequenez, ao culto do coitadismo e do pobre  lavrador nas aldeias serranas – com aquele insuportável “o Ti Zé” dito e escrito por extenso nos  jornais da TVI no seu período mais medíocre – irremediavelmente condenado ao  envelhecimento e ao abandono. 

Mas há algo que me incomoda sobremaneira nos blocos informativos actuais da RTP. Para quem  nunca reparou, o genérico de entrada mostra em sucessão rápida uma série de dez imagens:  oito delas em Lisboa (Marquês de Pombal, Praça do Comércio, Rossio, Parque das Nações, Arco  da Rua Augusta, Ponte 25 de Abril, Gare do Oriente, Ponte Vasco da Gama), e duas no Porto (Câmara Municipal do Porto, Ponte Luís I). E assim se representa Portugal.  

E era isto que esses quase esquecidos blocos regionais contrariavam, com os mesmos dinheiros  públicos, e que agora se manda ostensivamente às urtigas. Até os genéricos mostravam  monumentos dos vários distritos: o castelo de Bragança, o Palácio de Mateus, o Monte de Santa  Luzia, e por aí ia. E isto é a ilustração do nosso pensar de Estado com uma clareza e simplicidade  brutais. O país são oito partes de Lisboa e duas de Porto: o resto são detalhes ou bens no  portefólio, geríveis como melhor convier a partir de uma capital que se impõe custe o que custar  e doa a quem doer. 

Olho lá para fora e penso no meu distrito, Bragança, com meia dúzia de quilómetros de  caminhos-de-ferro e uma auto-estrada, com ligações viárias internacionais simplesmente  péssimas, pejada de barragens que prometeram muito e trouxeram nada e prontas a serem  vendidas apesar de tão defendidas pelo esquivo “Interesse do Estado”, e com três deputados  para nos representar entre os 230 da Assembleia da República. Olho, e nestas alturas sinto-me  esmagado pela revolta que me assalta: sinto-me trasmontano, mas não me sinto português.  

Vila Real, 11 de Dezembro de 2020 

O autor não escreve segundo as regras do Novo Acordo Ortográfico.

Outros artigos deste autor >

Trasmontano, natural de Vinhais (nascido no Rio de Janeiro) em 1984. Frequentou dos 10 aos 14 anos o Colégio Salesiano de Poiares da Régua, onde viajou frequentemente na Linha do Tua, nascendo aí o seu interesse pela sua salvaguarda. Licenciado em Gestão pelo ISCTE (2002-2007), e com pós-graduação em Turismo pela ESHTE (2008-2010).
Fundou o Movimento Cívico pela Linha do Tua em 2006, estando sempre na linha da frente da luta contra a barragem do Tua, escrevendo vários comunicados e artigos de opinião, entre participações em debates. Em Dezembro de 2010 fundou o Movimento Cívico pela Linha do Corgo, com menos actividade que no MCLT. Deixou ambos os movimentos em meados de 2015, mas nunca se afastando da divulgação e defesa destas vias-férreas, a par da da Linha do Sabor, sobre a qual criou um estudo de reabertura, publicado no livro "A Linha do Vale do Sabor - Um Caminho-de-Ferro Raiano do Pocinho a Zamora".
Foi Assessor de Gestão no Metro de Mirandela entre 2009 e 2012, promovendo algumas mudanças, mas sendo sempre boicotado em vários esforços pela Administração.
Em 2010 ficou em 3º lugar no concurso nacional de empreendedorismo "Realiza o teu Sonho", da Acredita Portugal, com um projecto de Turismo Ferroviário na Linha do Tua. A CP nunca quis reunir para conhecer o projecto.
Tem publicado no seu canal no YouTube alguns estudos de reabertura de troços ferroviários, nomeadamente da Linha do Corgo entre a Régua e Vila Real.

Deixe o seu comentário

Skip to content