“Não porque achemos que as medidas pontuais não possam ser feitas e não possam ter algum efeito, mas nós precisamos de mais do que de medidas pontuais. Nós precisamos de medidas estruturais para desenvolver o Interior do país”, disse ontem Catarina Martins em declarações à agência Lusa durante uma visita à Feira do Queijo de Celorico da Beira, sobre as medidas anunciadas recentemente pelo governo para estas regiões.

Continuamos a dizer que sem medidas estruturais é difícil combater o despovoamento do Interior do país

Segundo Catarina Martins são necessárias medidas de reflorestação em locais afetados pelos incêndios, e que sejam planeadas para os prevenir, são necessárias medidas relacionadas com o investimento na agricultura e na sua modernização, mas também “é preciso também o investimento nos serviços públicos e na ferrovia”.

Nas declarações, Catarina Martins referiu que no parlamento foram chumbadas várias medidas destinadas ao interior, entre elas uma que proponha “iniciar um processo de reabertura de serviços públicos onde eles foram encerrados nos últimos anos”.

A Coordenadora Nacional do Bloco referiu que há duas medidas fundamentais de investimento de responsabilidade do estado que permitiriam o aumento do investimento privado, a reabertura de serviços públicos “onde eles encerraram” e o investimento na ferrovia e “a sua presença em todo o país e a sua capacidade de transportar populações e mercadorias”. Também na legislatura passada o Plano Nacional Ferroviário apresentado pelo Bloco de Esquerda, que permitiria a ligação na rede de todas as capitais de distrito, foi chumbada.

Para nós [BE], essa visão estrutural para o Interior é fundamental e é por essa que no continuamos a bater

No fim desta visita à feira do Queijo de Celorico da Beira, Catarina Martins esteve na Guarda para a inauguração da nova sede distrital do partido.

(Por CC)

Deixe o seu comentário

Skip to content