O acesso à saúde, educação, emprego, entre outros, é um direito de toda a população. Mas, de uma forma geral, não são criadas as condições para as deslocações das pessoas que não podem ou não têm meios de transporte próprio, ficando, deste modo impedidas de aceder aos serviços essenciais. 

O transporte público deve ser visto não só como um direito da população, mas também, como um meio para melhorar a qualidade de vida das pessoas e valorizar a região em que se insere.

Constata-se que a disponibilização de transportes em meios rurais é um fator essencial de equidade social e de combate ao isolamento e desertificação destas regiões.

Todavia, uma vez que a população é pouca e dispersa, existe uma procura muito baixa dos transportes públicos, o que o torna um negócio pouco atrativo para o operador, originando diminuição da oferta.

Antes de ser declarado o Estado de Emergência em Portugal, Verdelhos tinha três autocarros: o primeiro saia às 07h com destino a Belmonte, quem queria ir para a Covilhã teria que mudar de autocarro no Teixoso, o segundo partia às 07h40m com destino à Covilhã (este apenas se realiza durante o tempo de aulas) e o terceiro que saia às 13h com destino à Covilhã. Nessa altura partiam da Covilhã para Verdelhos três autocarros: o primeiro às 11h, o segundo às 17h e o terceiro às 18h.

Atualmente, somente se realiza o horário que sai de Verdelhos às 07h com destino a Belmonte com a necessária mudança de autocarro no Teixoso para quem precisa de ir para a Covilhã.

Como as aulas ainda não começaram, o autocarro que saia de Verdelhos, às 07h40m com destino à Covilhã e o autocarro com partida da Covilhã às 17h ainda não se realiza. Esperamos que com o início das aulas o referido autocarro seja reposto!

O autocarro com partida da Covilhã às 11h e destino a Verdelhos, com partida de Verdelhos às 13h e destino à Covilhã não voltou a ser reposto, eram dois horários que se adequavam na perfeição para quem precisava de se deslocar á Covilhã, sem necessidade de passar o dia inteiro fora para a resolução de qualquer assunto, que não demora mais de meia hora a ser resolvido.

Mas devido a falta de transportes públicos ou na impossibilidade para alugar um táxi, essas pessoas têm de passar o dia todo fora, (um pensionista para ir buscar a sua reforma é apenas um de muitos exemplos).

É certo que este autocarro tinha poucos passageiros, havendo dias que só tinha passageiros até ao Teixoso ou a partir do Teixoso, motivo pelo qual o operador responsável por este autocarro ainda não o ter reposto, penso eu de que!

É impreterível que a Câmara Municipal da Covilhã implemente medidas que possibilitem a reposição deste autocarro que muita falta faz à população de Verdelhos, essencialmente, à população mais idosa, assim como a criação de uma rede de transportes abrangente a toda a população e que permita responder às suas necessidades.

Em Verdelhos, os transportes públicos têm uma adesão baixa, também quase não existem ou os que existem não se adequam à maioria dos diferentes horários. Quem tem possibilidade utiliza o automóvel próprio, o que faz que o automóvel seja o meio mais usado. Apenas alguns usam o autocarro, uma realidade que poderia ser bem diferente com horários de transportes públicos adequada.

Outros artigos deste autor >

Jose Carlos Pais, nasci em Novembro de 1974 sou residente em Verdelhos no extremo norte do concelho da Covilhã. Formação profissional em instalações eléctricas em edifícios. Na actualidade estou em casa a exercer funções de cuidador informal uma vez que tenho dois irmãos completamente dependentes. Tenho um filho com 14 anos também ele com necessidade de ser acompanhado. Sou uma pessoa muito simples, amigo e quando posso ajudo que de mim precisa

Deixe o seu comentário

Skip to content