Bruxa

Fogueira
Fogueira

Sim estou aqui.
Porque alguém não ardeu.

E apesar da minha mão sinistra
E ideias e sonhos de além
Estou aqui.

Clamo e canto e bato no peito
Neste dia de noite ténebra.

E danço sem estilo e em liberdade
Entre as teias liminares do real
E os farrapos velados da memória.

Estou aqui, mulher, e esta história é minha
E cresce no silêncio do que não é dito.
E espalha-se no cheiro do fumo vil.
E é de muitas como eu
Que vivem no feitiço do implausível.

Sim estou aqui
E estamos em todo o lado.

Outros artigos deste autor >

Ativista. Formada em Antropologia. Deputada na Assembleia Municipal de Viseu pelo Bloco de Esquerda.

Outros artigos deste autor >

O renascer da arte a brotar do Interior e a florescer sem limites ou fronteiras. Contos, histórias, narrativa e muita poesia.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Ler Mais

Exposição “Apontar o dedo ao lobo”: o frente a frente que nos leva a (re)descobrir a espécie

O lobo-ibérico é a personagem central da exposição "Apontar o dedo ao lobo" que está patente na Casa da Cultura de Vimioso, concelho do distrito de Bragança, até o dia 22 de março de 2022 e é constituída por cerca de 25 desenhos da autoria de Agostinho Santos e do premiado escritor Valter Hugo Mãe. Inserido em diferentes contextos, o lobo-ibérico surge, nesta exposição, ligado a narrativas e enquadramentos associados à sua relação com o Homem e o seu imaginário social-simbólico.
Ler Mais

Do alto da minha aldeia

Foto por Vitor OliveiraDo alto da minha aldeia, vejo o céu a brilhar, não vejo rio nem vejo…
Ler Mais

Artistas de Rua

Queres ver a Lua refletida na calçada da rua Caminha descalça com a guitarra às costas. Agarra a…
Skip to content