Foto por Movimento Estrela Viva | Facebook

O Sabugueiro é um arbusto da nossa flora autóctone e muito comum na nossa região.

As suas pequenas flores, com um odor característico, são muito atrativas para os insectos e as bagas para as aves. A floração dá-se entre março e agosto e a maturação dos frutos decorre no início do outono.O sabugueiro é uma das plantas medicinais mais utilizadas na medicina tradicional. O primeiro registo do seu uso em medicina foi há 2500 anos atrás nas obras de Hipócrates. São utilizadas as flores, frutos maduros (bagas), tronco e ramos. As flores, uma das partes mais usadas, podem ser utilizadas sob a forma de infusão e possuem propriedades sudoríferas, expetorantes, anti-inflamatórias e diuréticas. São utilizadas em situações gripais e outras afeções das vias respiratórias. Topicamente, é usado no tratamento de estomatites, faringites, feridas e queimaduras.

As bagas de sabugueiro contêm elevadas quantidades de compostos fenólicos (flavonóides), que estão associados à prevenção e tratamento de doenças crónicas devido às suas propriedades antioxidantes.

Sabias que no passado esta espécie esteve em vias de extinção em Portugal?

Tal facto deveu-se à grande procura de vinhos do Porto na primeira metade do século XVIII. A procura era de tal modo que muitos agricultores começaram a usar a baga do sabugueiro para dar cor a vinhos mais fracos, que eram depois vendidos como ‘Vinho do Porto’. Por isso, o Marquês de Pombal proibiu o cultivo de sabugueiro e, na tentativa de acabar com as adulterações, foi arrancado em tal escala que a espécie quase foi erradicada.

Publicado por Movimento Estrela Viva a 10 de julho de 2020.
Outros artigos deste autor >

O Movimento Estrela Viva é um grupo informal de cidadãos com ligações à Serra da Estrela e regiões limítrofes que surgiu após os incêndios de outubro de 2017, e que se afirma laico, apartidário e sem fins lucrativos. Tem a missão de proteger e valorizar o território através de ações de preservação da natureza e de desenvolvimento do meio rural (promoção de produtos endógenos, valorização das comunidades, preservação de valores e tradições), sustentadas em modelos colaborativos e de cooperação com parceiros locais, na capacitação dos cidadãos e segundo uma lógica de desenvolvimento sustentável.
Facebook
Instagram

Deixe o seu comentário

Skip to content