CTT: nacionalizar e reabrir. A exceção que falta.

Foto por Paulete Matos
Nos últimos meses, ouvimos, por parte da administração dos CTT, aquilo que lhes pareceu um peso na consciência. Este é o momento em que nos fingimos de mortos e fazemos de conta que acreditamos na sua boa vontade na reabertura das estações nos concelhos onde, escandalosamente, fecharam no final do ano passado. É certo que, para quem privilegia o banco ao invés do serviço postal, as queixas constantes relativas ao serviço postal não fortaleciam a ideia do banco e, neste sentido, o bom senso e a publicidade batem à mesma porta.

Há muito tempo que o contrato foi quebrado e que este “serviço público” o deixou de ser e há tanto tempo quanto esse que a renacionalização devia já estar em marcha. Muitas vezes, ouvimos trocas de acusações entre PS, PSD e CDS sobre a parentalidade da privatização. Em boa verdade, a direita, que utiliza com frequência e autoridade as palavras, negócio ou lucro, foi aquela que despoletou, como de costume, um péssimo negócio, pelo menos para o erário público.

A privatização dos CTT não mostrou uma realidade muito distinta da prática das privatizações. Os privados procuram o lucro e, por isso, reduzem o serviço ao mínimo, despedem funcionários e não olham a meios para justificar lucros astronómicos em detrimento do serviço público. Só que ao contrário de um serviço do estado, não tem como prioridade nem objetivo servir as pessoas.

O fecho de estações foi prejudicial em todos os locais onde encerrou. No entanto, se no litoral o fecho de serviços foi prejudicial, no interior foi dramático. No interior do país, assistimos, cada vez mais, a um aumento da população envelhecida e, por isso, os correios são essenciais para um ato simples como o de receber a sua reforma.

Esta espécie de negociata prejudica os mesmos de sempre e, cada vez mais, é a regra e não a exceção. Hoje, o interior rima com encerramento e muitas das vezes nem o próprio Estado dá o exemplo (vejam-se os desinvestimentos nas escolas, tribunais, hospitais, freguesias, repartições da CGD, etc.).

Por fim, fica a eterna pergunta: perdemos pessoas porque perdemos serviços ou perdemos serviços porque perdemos pessoas?

Foto por Paulete Matos
Texto de Joni Ledo de apoio ao debate “Como resgatar os CTT para a esfera pública?“, que terá lugar no Fórum Socialismo 2019, no sábado, 31 de agosto, às 10 horas, no Porto.

Outros artigos deste autor >

Jóni Ledo, de 31 anos, é natural de Valtorno, concelho de Vila Flor. É licenciado em Psicologia pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, instituição onde também concluiu o Mestrado em Psicologia da Educação. Frequenta atualmente o 3ºano da Licenciatura em Economia na mesma instituição. Foi Deputado na Assembleia Municipal de Vila Flor pelo BE entre 2009 e 2021. É ativista na Catarse | Movimento Social e cronista no Interior do Avesso. É atualmente dirigente distrital e nacional do Bloco de Esquerda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

Ideologia ou Direitos Humanos?

Ideologia é um conjunto de crenças partilhada por um grupo. Quando falamos de autodeterminação de género não deveríamos…
Estação Ferroviária da Guarda
Ler Mais

Economia a pedais

Economia a pedais 2021 vai ser um ano de recuperação da Economia, um esforço que todos os sectores…
Linha do Tua
Ler Mais

Os Escravos do Vale do Tua

Foto por http://ncultura.pt/Não se pode ser escravo do conservadorismo e mediocridade dos outros. Mas é precisamente isso que…
Skip to content