CTT: nacionalizar e reabrir. A exceção que falta.

Foto por Paulete Matos
Nos últimos meses, ouvimos, por parte da administração dos CTT, aquilo que lhes pareceu um peso na consciência. Este é o momento em que nos fingimos de mortos e fazemos de conta que acreditamos na sua boa vontade na reabertura das estações nos concelhos onde, escandalosamente, fecharam no final do ano passado. É certo que, para quem privilegia o banco ao invés do serviço postal, as queixas constantes relativas ao serviço postal não fortaleciam a ideia do banco e, neste sentido, o bom senso e a publicidade batem à mesma porta.

Há muito tempo que o contrato foi quebrado e que este “serviço público” o deixou de ser e há tanto tempo quanto esse que a renacionalização devia já estar em marcha. Muitas vezes, ouvimos trocas de acusações entre PS, PSD e CDS sobre a parentalidade da privatização. Em boa verdade, a direita, que utiliza com frequência e autoridade as palavras, negócio ou lucro, foi aquela que despoletou, como de costume, um péssimo negócio, pelo menos para o erário público.

A privatização dos CTT não mostrou uma realidade muito distinta da prática das privatizações. Os privados procuram o lucro e, por isso, reduzem o serviço ao mínimo, despedem funcionários e não olham a meios para justificar lucros astronómicos em detrimento do serviço público. Só que ao contrário de um serviço do estado, não tem como prioridade nem objetivo servir as pessoas.

O fecho de estações foi prejudicial em todos os locais onde encerrou. No entanto, se no litoral o fecho de serviços foi prejudicial, no interior foi dramático. No interior do país, assistimos, cada vez mais, a um aumento da população envelhecida e, por isso, os correios são essenciais para um ato simples como o de receber a sua reforma.

Esta espécie de negociata prejudica os mesmos de sempre e, cada vez mais, é a regra e não a exceção. Hoje, o interior rima com encerramento e muitas das vezes nem o próprio Estado dá o exemplo (vejam-se os desinvestimentos nas escolas, tribunais, hospitais, freguesias, repartições da CGD, etc.).

Por fim, fica a eterna pergunta: perdemos pessoas porque perdemos serviços ou perdemos serviços porque perdemos pessoas?

Foto por Paulete Matos
Texto de Joni Ledo de apoio ao debate “Como resgatar os CTT para a esfera pública?“, que terá lugar no Fórum Socialismo 2019, no sábado, 31 de agosto, às 10 horas, no Porto.

Jóni Ledo, de 32 anos, é natural de Valtorno, concelho de Vila Flor. É licenciado em Psicologia pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, instituição onde também concluiu o Mestrado em Psicologia da Educação. Frequenta atualmente o 3ºano da Licenciatura em Economia na mesma instituição. Foi Deputado na Assembleia Municipal de Vila Flor pelo BE entre 2009 e 2021. É ativista na Catarse | Movimento Social e cronista no Interior do Avesso. É atualmente dirigente distrital e nacional do Bloco de Esquerda. É atualmente estudante de Doutoramento em Psicologia Clínica e da Saúde na Universidade da Beira Interior.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Ler Mais

ESTAMOS A MATAR FILHOS E NETOS E CONTINUAMOS ALEGREMENTE A SUICIDAR-NOS!

Não, não estou louco, nem sou alarmista ou pessimista. Pelo contrário, sou optimista e acredito que ainda poderemos ir a tempo de inverter o rumo da Humanidade na direcção vertiginosa para o abismo. Os cientistas andam há décadas a alertar-nos para a inevitabilidade de uma extinção em massa da humanidade, caso não consigamos suster, nos próximos anos (anos e não séculos!) as alterações climáticas provocadas pelo aquecimento global.

Incêndios na Austrália

Foto retirada do banco de imagens PxhereHá um debate a percorrer a Austrália sobre as causas do que…
Ler Mais

Canto do Cisne

Começo este artigo informando que Portugal é, tendo em conta as regras do sistema capitalista (armadilha), dos países…
Skip to content