Silêncio dos que mais sofrem

Muito se tem falado da democracia ou falta dela no que respeita a esta crise pandémica. É um facto que o vírus não olha para as carteiras quando entra pela goela abaixo, e nesse sentido até percebo a ideia. O problema é o pós-vírus. Falo do pós-vírus porque estamos em Portugal, um país que garante o acesso universal à saúde assegurado pelos excelentes profissionais do SNS. Porque, se falarmos nos países que os liberais gostam de dar como exemplo, veem-se as diferenças nas mortes e na falta de tratamento das classes mais desfavorecidas e o problema começa logo no pré-vírus.

Já percebemos então que pelo menos nos tratamentos hospitalares estamos todos em igualdade de circunstâncias, porque, de facto, o problema vem depois. Fala-se abstratamente da dificuldade que é estar encerrado em casa, no teletrabalho que todos sonhavam mas que agora se começa a perceber que não é assim tão bom, e estes são os casos felizes, porque este tempo é também de angústia para quem perdeu o emprego, para quem não é abrangido pelos apoios sociais e tem que viver a sua vida a contar os trocos para chegar ao fim da pandemia.

Também não é a mesma coisa fazer quarentena numa Quinta, num palacete, num T4 de luxo ou num T1 ou bairro social. Não é a mesma coisa ter acesso à internet e aos canais por cabo ou estar refém da TDT para quem tem televisão, sem tempo para se distraírem dos problemas reais como a dificuldade de pagar a renda ou da renda que vai acumular, mesmo que exista uma suspensão.

Como sempre acontece, nestes tempos de crise, vêm à tona as enormes desigualdades sociais que existem no nosso país e no mundo, bem como a noção de que aquilo que mais distingue os seres humanos é mesmo a classe social, e era nesta visão que devíamos trabalhar. Quem mais sofre são os sem voz…É o arrumador de carros que deixou de ter carros para arrumar e que ninguém sabe onde está ou do que sobrevive…É a pessoa que trabalha “à jeira” (expressão transmontana que significa trabalhar ao dia), sem contrato e que num dia que não trabalha é um dia que não recebe…É o dono do mini-mercado, do café ou de outra qualquer empresa familiar que nem sabe como pagar a renda, a luz e as telecomunicações nem como pagar a si próprio, pois é o seu único trabalhador e empregador…

É certo que todos estamos a sofrer, que já ninguém suporta estar entre 4 paredes, mas de certa forma, se as tivermos já estamos melhor que alguns…estamos todos a sofrer, mas não sofremos todos o mesmo. O espaço público que é dado pelos meios de comunicação social nunca abrange os que mais sofrem, os que mais sentem na pele sempre que a sociedade sofre um abanão. Este abanão está a ser dos fortes e veio para ficar. Que ao menos nos sirva para refletirmos sobre os nossos comportamentos sociais e sobre a sociedade que queremos, para que ninguém, mas ninguém mesmo fique para trás.

Outros artigos deste autor >

Jóni Ledo, de 31 anos, é natural de Valtorno, concelho de Vila Flor. É licenciado em Psicologia pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, instituição onde também concluiu o Mestrado em Psicologia da Educação. Frequenta atualmente o 3ºano da Licenciatura em Economia na mesma instituição. Foi Deputado na Assembleia Municipal de Vila Flor pelo BE entre 2009 e 2021. É ativista na Catarse | Movimento Social e cronista no Interior do Avesso. É atualmente dirigente distrital e nacional do Bloco de Esquerda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Fotografia Vencidos da Vida
Ler Mais

OS VENCIDOS DA VIDA

No final do século XIX, várias personalidades importantes da vida portuguesa, desapontadas com a situação política portuguesa, passaram…
Animais / Cão
Ler Mais

Os Animais são nossos Amigos!

Desde cedo, ouvimos as crianças dizer que “os animais são nossos amigos”. Roberto Carlos em 1976 gritou (ou…

Apenas alguns segundos!

Foto por José Fernando Coelho Valgode|FlickrForam apenas alguns segundos, Apenas algumas palavras, Mas o teu sorriso foi maravilhoso…
Ler Mais

Eurocidades, para que vos quero?

Foto de Município de Vila Real de Santo António | FacebookAs eurocidades foram criadas para encontrar formas de…
Skip to content