A recandidatura da Marisa Matias neste ano atípico é a esperança de um país mais justo e solidário, onde o perigo da desinformação, a falsa notícia e os discursos fascistas têm aumentado (ou saíram à rua) lado a lado com a pandemia.

É fundamental reforçar/criar medidas de combate à Covid-19 mas sem nos esquecermos da vida das pessoas e nunca podemos desvalorizar a democracia, nem o acto e o direito de votar.

A candidatura da Marisa Matias é uma candidatura de compromissos!

Compromisso:

– no combate às desigualdades sociais;

– com a absoluta rejeição do racismo e a construção de um país novo perante as questões da orientação sexual, da expressão e identidade de género ou das características sexuais;

– pelos direitos e dignidade nas políticas para a inclusão dos imigrantes; 

– em não promulgar qualquer legislação que aumente as emissões  de gases com efeitos de estufa;

– com a defesa de um Serviço Nacional de Saúde universal, geral e gratuito, que responda às necessidades de saúde das populações, de forma racional, e sem discriminar ninguém, que esteja equipado com mais meios e mais profissionais, e que aposte mais na prevenção e na promoção da saúde e valorizando a carreira de todos e todas os/as profissionais que “…salvando vidas todos os dias, com milhões de horas extraordinárias que não recebem e com falta de meios, fazem o melhor que podem e que sabem”; 

– em que todo o esforço será feito para dar resposta às pessoas: em apoio em rendimentos das famílias e apoio à economia e às empresas;

– em continuar a luta dos/as cuidadores/as informais que apesar de o seu Estatuto já ser uma realidade (luta com mais de 10 anos) a sua aplicação ainda está muito aquém: só chegou a 30 municípios e apenas mil pedidos do estatuto foram diferidos num universo de 827 mil pessoas;

– no combate à fraude e à evasão fiscal;

– por uma escola pública de qualidade, gratuita, segura, universal e promotora de igualdade social e, consequentemente, por um maior investimento na educação;

– em apoiar a democratização do setor artístico e cultural, do seu financiamento, da criação de estruturas de apoio especializadas às necessidades dos agentes culturais locais; pela defesa do Ensino e das Práticas Artísticas.

.…

Este Sábado, dia 16, a campanha continuou no Distrito de Viseu cumprindo todas as regras da DGS para a campanha eleitoral: na parte da manhã, Catarina Martins participou numa reunião na Cooperativa Agrícola do Távora, em Moimenta da Beira, um exemplo na valorização dos produtos locais, como a maçã e a uva de onde saem vinhos e espumantes premiados e, na parte da tarde, Marisa Matias participou num comício virtual sem público presencial a partir da cidade de Viseu e que contou com intervenções de Ana Carolina Gomes e do escritor José Luís Peixoto e a actuação de Músicas da Raia de Paulo Meirinhos e Luís António Pedraza.

A Marisa Matias vai à luta connosco!

Outros artigos deste autor >

Nascida em Viseu há 51 anos, é sobejamente conhecida na cidade que a viu crescer, pela dedicação e alegria com que se empenha na sua intensa actividade profissional, cívica, desportiva, associativa, sindical, cultural e política.
Professora de Educação Física e Mestre em Atividade Física e Desporto.
De 2008 a 2013 foi presidente da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Viseu.
Actualmente é dirigente sindical (SPRC Viseu, FENPROF), membro da Direcção da FRAP (Federação Regional de Associações de Pais) de Viseu, Membro da Direção da Associação de Professores de Educação Física -APEF VISEU. Membro da Comissão Concelhia de Viseu e da Comissão Distrital de Viseu do BE.
Esta autora escreve segundo o antigo acordo ortográfico.

Deixe o seu comentário

Skip to content