Finalmente o acordo que tardava: PS, BE e PCP chegaram a consenso quanto à criação do Estatuto de Cuidador/a Informal. Neste Estatuto ficará estabelecido todos os direitos e deveres de quem cuida de familiares dependentes, com patologias graves, doenças crónicas ou demência, em qualquer idade.
Este acordo ainda depende da votação final na Assembleia da República, mas se a Geringonça funcionar em pleno, é uma grande conquista para os milhares de cuidadores e cuidadoras (cerca de 800 mil) a tempo inteiro ou parcial, que têm lutado por este reconhecimento, que não é mais do que terem plasmado em lei os seus direitos e deveres.

Poder cuidar “dos/as nossos/as” sem termos que “despejar” ninguém numa instituição por não termos condições pessoais, profissionais e materiais é defender o valor da dignidade humana e melhorar as condições de vida de quem cuida e de quem precisa de cuidados.

Neste acordo ficou definido a criação de um subsídio para os/as cuidadores/as em permanência que tiverem menos rendimento; ficou aberta a possibilidade de terem carreira contributiva através de um seguro voluntário (se deixarem de trabalhar); terem direito a descanso (apoio domiciliário) e poderem ter acesso a formação especializada.
Mas, fica muito por fazer: alargar a definição de quem cuida (por exemplo cuidadores/as vizinhos/as); reconhecer os cuidados prestados no passado e adequar a Lei Laboral, ou seja, alterar o Código do Trabalho no sentido de permitir o alargamento de licença e a redução do horário de trabalho para quem cuida.
Uma coisa é certa, o Bloco de Esquerda, ganhe quem ganhar as próximas legislativas, não vai desistir desta luta.
Assim se avança com pequenas grandes conquistas!

Outros artigos deste autor >

Nascida em Viseu há 51 anos, é sobejamente conhecida na cidade que a viu crescer, pela dedicação e alegria com que se empenha na sua intensa actividade profissional, cívica, desportiva, associativa, sindical, cultural e política.
Professora de Educação Física e Mestre em Atividade Física e Desporto.
De 2008 a 2013 foi presidente da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Viseu.
Actualmente é dirigente sindical (SPRC Viseu, FENPROF), membro da Direcção da FRAP (Federação Regional de Associações de Pais) de Viseu, Membro da Direção da Associação de Professores de Educação Física -APEF VISEU. Membro da Comissão Concelhia de Viseu e da Comissão Distrital de Viseu do BE.
Esta autora escreve segundo o antigo acordo ortográfico.

Deixe o seu comentário

Skip to content