Foto de John Englart | Flickr

A COP25, Conferência da ONU sobre o Clima, que decorreu na semana de 2 a 13 de Dezembro em Madrid tinha como grande objectivo reforçar e fazer cumprir, por parte dos 195 países que assinaram o acordo de Paris em 2015 e, assim permitir uma resposta concreta à emergência climática.

Mas os interesses e o lucro das grandes empresas internacionais continuam a “mandar” nos países de sempre- Estados unidos, Rússia, China, Austrália, Brasil…- cujos governos preferem manter-se em estado de negação com os estudos científicos que provam que as alterações climáticas, secas severas, muitas tempestades e calor excessivo, estão a provocar “…consequências terríveis para a erradicação da pobreza, saúde humana, migração e desigualdade” (Patrícia Espinosa, Secretária-Executiva da ONU).

É chocante este desinteresse intencional em não acabar com este “…estado de guerra com o PLANETA… (António Guterres, Secretário Geral da ONU) e, em não alterar políticas e comportamentos em defesa do PLANETA e, consequentemente, em defesa da VIDA HUMANA.

Muita gente se tem indignado com os discursos da jovem activista, Greta Thumberg, que sem papas na língua toca na ferida “…quase nada está a ser feito além da contabilidade inteligente e propagandas criativas”. 

Este é mesmo o maior problema!

Não chegam as nossas acções individuais (reciclar, reutilizar, reduzir…lutar) para que haja FUTURO! 

A luta também se faz na rua e activistas de Viseu juntaram-se a activistas do mundo inteiro na que foi a maior manifestação climática de sempre, com mais de meio milhão de pessoas a marchar em Madrid, e na Cimeira Social pelo Clima, que decorreu paralelamente à oficial e que, objectivamente pretendeu mostrar que ninguém se pode conformar com as meias medidas que os governos apresentam.

São precisas políticas sérias e mudanças drásticas para ainda irmos a tempo!

Outros artigos deste autor >

Nascida em Viseu há 51 anos, é sobejamente conhecida na cidade que a viu crescer, pela dedicação e alegria com que se empenha na sua intensa actividade profissional, cívica, desportiva, associativa, sindical, cultural e política.
Professora de Educação Física e Mestre em Atividade Física e Desporto.
De 2008 a 2013 foi presidente da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Viseu.
Actualmente é dirigente sindical (SPRC Viseu, FENPROF), membro da Direcção da FRAP (Federação Regional de Associações de Pais) de Viseu, Membro da Direção da Associação de Professores de Educação Física -APEF VISEU. Membro da Comissão Concelhia de Viseu e da Comissão Distrital de Viseu do BE.
Esta autora escreve segundo o antigo acordo ortográfico.

Deixe o seu comentário

Skip to content