Vila Real pós-25 de abril. Padre Max: “servir o povo e nunca se servir do povo”

O Padre Max era candidato independente pelas listas da União Democrática Popular, que integrou o Bloco de Esquerda, em 1999, pelo círculo eleitoral de Vila Real. A luta do Padre Max não começa na UDP. Miguel Carvalho, na sua obra Quando Portugal Ardeu, reflete bem que a luta do Padre Max começou bem cedo: quando parte da casa dos condes de Almendra, deixa uma inscrição que o norteará até ao fim da sua vida: “Aprendi a servir o povo no nojo da burguesia”.  

A vida do Padre Max era cheia de humanismo. Mas Lurdes também o era. Alfabetizava camponeses, deu rosto à luta estudantil contra o caciquismo reacionário e lutava contra os fascistas e reacionários que pediam o regresso da ditadura. Ambos sonhavam com uma nova sociedade. Uma sociedade igualitária e livre.

O Padre Max fazia vibrar a gente jovem. Gente revolucionária que estava amordaçada pelo clero e por algumas famílias abastadas de Vila Real. Era um espírito inquieto e apaixonado pelos problemas sociais. O Padre Max apelava a todos os cristãos antifascistas que se revoltassem contra a doutrina clerical, que enganavam o povo e defendiam os privilégios de alguns. A morte do Padre Max fez Vila Real vestir-se de luto. Um luto pesado em memória de um homem daquela terra. Com o Padre Max, morreram, também, todos aqueles cristãos que, juntamente com ele, foram crucificados num crime bárbaro. 

O Padre Max representa um testemunho de libertação da chantagem ideológica com que nos amedrontam. Era a voz da libertação de um povo, que continuou amordaçado. O legado do Padre Max ficará gravado na memória de todos. Todos lhe reconhecemos a dedicação a um projeto que traria igualdade para todos. A extrema-direita tirou-lhe essa oportunidade. Mas não vos mataram, apenas vos semearam. E nós somos esse resultado!

Vila Real pós-25 de abril. | Padre Max: a culpa morreu solteira

Outros artigos deste autor >

Linguista, investigador científico, feminista e ativista social.
Nascido em Lisboa, saiu da capital rumo a Terras de Trás-os-Montes e cedo reconheceu o papel que teria de assumir num interior profundamente desigual. É aí que luta ativamente contra as desigualdades sexuais, pelos direitos dos estudantes e dos bolseiros de investigação. Membro da Catarse - Movimento Social, movimento que luta contra qualquer atentado à liberdade/dignidade Humana. Defende a literacia social e política.
(O autor segue as normas ortográficas da Língua Portuguesa)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Com Orgulho de Junho

Em junho de 1969 (já passaram 50 anos) deu-se a revolta de Stonewall, composta de várias manifestações espontâneas…
nao-ha-planeta-b-clima-greve
Ler Mais

O Humano e o Ambiente

Existem vários pontos de vista para o desenho onde se materializa o Humano e o seu ambiente. Os que suspiram em ambiente urbano, inspiram poluentes e expiram esperanças perdidas por sucessos materiais – quem procurar a forma de atuação de um rico, descobrirá que ele investe os seus rendimentos em vez de consumir
Ler Mais

Que momento é este?

Retirada de JHU – CSSENa passada semana escrevi uma crónica sobre o novo Coronavírus. Essencialmente informativa sobre medidas…
Skip to content