E agora, Viseu?

Fernando Ruas voltou a assentar praça em Viseu, por mais quatro longos anos…  Ainda não foi desta que este município, onde habitam cerca de 100.000 pessoas, dispensou um político que, sendo boa pessoa, governa, antes de mais, para responder aos inúmeros pedidos da sua base eleitoral, sem que tenha uma preocupação específica pelo bem-estar geral dos viseenses.

Ruas, que recuperou a gestão da Câmara, com pouco mais de 24.000 votos, continuará a alimentar, tal como fez no passado, um exército perito em vender inverdades acerca da qualidade de vida que a cidade e as freguesias rurais oferecem. Prova disso, são as pessoas excluídas que vivem no concelho, que passam regularmente por dificuldades económicas e financeiras e que não têm direitos e garantias ou a proteção social adequada; que se exige!

Nas freguesias rurais de Viseu, em pleno século XXI, ainda há pessoas que vivem com parcas condições de habitabilidade (ainda há ruas onde se verifica a existência de barracas de tijolo e betão) e sem acesso ao abastecimento público de água, de saneamento de águas residuais urbanas e de gestão de resíduos urbanos essenciais ao bem-estar geral, à saúde pública e à segurança coletiva das populações; às atividades económicas e à proteção do ambiente. Tal desprezo da autarquia revela-se quando percebemos que, em relação aos idosos, por exemplo, persistem sentimentos e práticas de discriminação que se traduzem em desigualdades sociais e na dificuldade de acesso aos principais direitos de cidadania. Na falta de passeios, de jardins e bibliotecas. Na falta de associações e de lares públicos que não tenham como objetivo maior o fim lucrativo. Por outro lado, há princípios, valores e legítimos interesses que Ruas deverá passar a acautelar. O investimento público na cultura alternativa, na arte, no design e na arquitetura urbana deve ser prioritário, pois a cidade encontra-se fria e cinzenta… Mais: o investimento público na habitação e no ensino, na saúde e bem-estar, na ferrovia e nos transportes coletivos públicos, no comércio local e nas empresas agrícolas e industriais familiares deverá ser regra de ouro para reanimar a atividade económica da região. Fernando Ruas só poderá revindicar o prémio de melhor cidade para se viver quando não houver miséria no concelho de Viseu. Os fregueses do PSD Viseu só poderão cantar vitória quando a máquina laranja que nos gere, há mais de 32 anos, passar a criar condições para todas as pessoas, sem exceção. Inclusive para os pequenos e médios empresários que devem proporcionar centenas de empregos de qualidade, duradouros e satisfatório no curto e longo prazo.

Outros artigos deste autor >

Nasceu e cresceu em Viseu, no seio de uma família com fortes raízes na cidade. Vive em Lisboa desde 2007 e desenvolve o seu trabalho como empresário em nome individual. É dirigente associativo desde muito novo, estando ligado à política, ao desporto e à economia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados
Beatriz Pinheiro
Ler Mais

As ruas a quem as merece!

Beatriz Pinheiro foi uma pioneira do movimento moderno de emancipação feminina em Portugal. Nascida em 1871, defendia causas…
Assembleia da Republica
Ler Mais

CONSEQUÊNCIAS!

Por força da crise de saúde pública que ainda estamos a viver, todos sabemos que iremos também ter…
Skip to content