Covid pela verdade

Mundo Covid-19
Mundo Covid-19

Lembro-me de ter visto algures uma reflexão filosófica sobre a verdade, o seu significado e definição, as suas singularidades e individualizações. Expunha um dilema interessante; a verdade é aquilo em que acreditamos/queremos acreditar, ou é algo concreto, sem relação ou dependência da e com a condição humana? Por exemplo, a nossa percepção das cores que é limitada pelos nossos olhos, ou mesmo a percepção da realidade que pode também ser “manipulada” pelo nosso cérebro, pelas nossas crenças e receios, mesmo pelo nosso conhecimento e desconhecimento de certas cousas, são uma verdade real ou apenas a nossa interpretação, o modo como somos capazes de compreender e absorver a realidade como verdade?

Nascido na primeira metade dos anos oitenta, vivi a minha menoridade no século passado, sem Google, ou outros motores de busca, sem redes sociais, nem “gadgets” cheios de funcionalidades, que aparentemente tornam algumas pessoas disfuncionais. Vivi sob o medo de uma outra pandemia, hoje já bastante controlada e, com o passar dos anos, mais bem compreendida, estudada, documentada e medicada. Vivi ouvindo, crendo e debatendo, teorias e conspirações sobre a mesma, mas nunca, pelo menos que o recorde, ouvi alguém dizer que o VIH/SIDA era uma ficção, uma estratégia para nos subverter, um modo de controlar a libido desenfreada de uma população atormentada pelo flagelo das “drogas duras” e adictivas e o seu comportamento descontrolado. Ouvi pessoas exporem os seus motivos egoístas, para recusarem o uso do preservativo, mas nunca ouvi ninguém dizer que recusava essa protecção porque não acreditava numa doença global, perigosa e letal, ou porque – enquanto conduzia dentro dos limites legais – jamais se submeteria a controlos governamentais.

O mundo foi-se, entretanto, aproximando e conectando; a aldeia global era cada vez mais uma realidade, a Internet tornou-se, acentuadamente, uma parte central, até mesmo essencial, do nosso dia-a-dia. A era digital chegava para ficar, conjuntamente com uma geração com mais, maior e melhor acesso ao conhecimento e à educação, com uma gestão e criação de recursos cada vez mais facilitada e possibilitada; nada nos poderia impedir e atrasar o progresso. Contudo, a mesma tecnologia que nos aproxima é a mesma tecnologia que nos afasta. A manipulação tornou-se um instrumento que mais fácil, e descontroladamente, cai nas mãos de qualquer charlatão, ou qualquer pretenso iluminado candidato a entendido e “expert” de vídeos no youtube. O que, infelizmente, levou a que a iliteracia social se tenha tornado num flagelo enorme, pelo seu despudorado egoísmo e pela cultura do egocentrismo e “ensimesmismo” que se vem desenvolvendo nesta era digital. Parece confundir-se acesso à informação com estar informado – apesar de não se aceder ou não se compreender a informação – e estar iluminado, por ter electricidade, com ser iluminado, por ter instrução.

A vida e a sociedade não vêm com um manual de instruções, nem com um guião, a verdade é a nossa liberdade de viver do melhor modo e com o maior conforto possível. Mas sem nunca esquecer que os limites da nossa liberdade são, precisamente, os limites da liberdade dos outros. Há muitos lóbis, interesses e interesseiros por este mundo fora e adentro, é verdade. Mas é também verdade que sem respeito e mutualidade, sem empatia, compaixão e bom-senso, não há vacina ou remédio que nos salve, nem verdade que nos valha.

Outros artigos deste autor >

Nasceu em Macedo de Cavaleiros, Coração do Nordeste Transmontano, em 1983, onde orgulhosamente reside. Licenciado em Línguas, Literaturas e Culturas, publicou poemas e artigos na extinta fanzine “NU” e em blogues, antes de editar em 2015 o livro-objecto “Poesia Com Pota”. Português de Mal e acérrimo defensor da regionalização foi deputado municipal entre 2009-2013.
Este autor escreve segundo o antigo acordo ortográfico.

1 comment
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
mãos-cuidado
Ler Mais

O manto da invisibilidade sobre quem Cuida

Em Portugal, após o 25 de Abril consagraram-se pilares públicos da democracia e do Estado Social. Porém, o Direito ao Cuidado ficou de fora da equação, estendendo-se para o trabalho doméstico dentro das famílias, não sendo regulado nem pelo Estado nem pelo mercado. Publicado no Esquerda.net
Ler Mais

Economia impura

Até ver, aprendi três coisas com esta crise que tende em permanecer brusca: 1. A economia entra em…

“Homo homini lupus”

(*O homem é o lobo do homem) Parece-me lógico, senão mesmo a única atitude correcta, após na última…
Skip to content