Violência não é entretenimento

“Neste dia 14 de fevereiro, popularizado como o dia do amor, que se sabia que nada disto é OK. Violência, agressividade e opressão não fazem parte do romance, do casamento ou de qualquer tipo de relação de intimidade.”

Ontem vi o Big Brother e o suposto programa de entretenimento foi uma gala de perigosa desinformação, sinónimo de um serão de angústia.

Este programa tem permitido que à casa de muita gente chegue o que é a imagem de uma relação abusiva (poderá não o ser efetivamente, não me cabe a mim resolver a investigação, mas a imagem que passa é definitivamente essa).

A imagem que passa – e que é normalizada – é a de uma relação em que Bruno de Carvalho manipula, condiciona, oprime e controla Liliana Almeida a nível intelectual, psicológico, emocional e, pelo menos em dois episódios, físico. 

  1. Nada disto pode ser justificado com o amor, como se tentou fazer. Fazê-lo é desrespeitar todas as vítimas de violência em contexto de intimidade.
  2. A violência não é só respeitante à dimensão física. Mesmo que a forma como o concorrente agarrou a namorada pelo pescoço seja “tesão”, como se justificam todos os outros comportamentos?
  3. Alegar “más intenções”, “inveja” e ataques a “título pessoal” sobre um possível cenário de violência doméstica não valem. A violência doméstica é um crime público, denunciá-la não é invadir a esfera privada, é cumprir um dever público.
  4. Resolver o assunto porque a suposta vítima “tem cabeça para pensar” e diz não se sentir vitimada é falacioso e perigoso. As vítimas têm cabeça para pensar, porém devido à própria natureza deste tipo de violência muitas vezes não se encontram na melhor situação para o reconhecer e/ou para o denunciar.
  5. “Neutralidade” e “imparcialidade” neste caso demonstram a pior face de uma indústria de entretenimento dominada por interesses capitalistas em que o valor das audiências ultrapassa o valor da mensagem transmitida.

Neste dia 14 de fevereiro, popularizado como o dia do amor, que se sabia que nada disto é OK. Violência, agressividade e opressão não fazem parte do romance, do casamento ou de qualquer tipo de relação de intimidade. VIOLÊNCIA DE GÉNERO NÃO É ENTRETENIMENTO!

Outros artigos deste autor >

Ativista. Formada em Antropologia. Deputada na Assembleia Municipal de Viseu pelo Bloco de Esquerda.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Ler Mais

O caso da salamandra apagada

Em 2020, a biomassa forneceu mais de um quinto da energia consumida nas casas portuguesas e o equivalente…
Sertã
Ler Mais

O Barómetro dos “Descompromissos”

Foto por Vitor Oliveira from Torres Vedras, PORTUGAL, CC BY-SA 2.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0>, via Wikimedia CommonsO PSD importa-se com…
Skip to content