Os rios, a vida e o Dão

Rio Dão
Foto por: Vitor Oliveira Licença: https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/deed.en Link original: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Rio_D%C3%A3o_-_Portugal_(3983812480).jpg
Foto por Vitor Oliveira from Torres Vedras, PORTUGAL, CC BY-SA 2.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0>, via Wikimedia Commons
A água doce é base de muitas formas de vida, como a humana, no planeta Terra; a sua escassez e uso abusivo e inadequado, constituem uma ameaça crescente ao desenvolvimento, à proteção do ambiente e à própria humanidade.

Neste sentido, enquanto linhas de água doce que se têm espalhado por todo mundo, desenhando as povoações e as cidades ao longo da história, os rios são vida. Ainda assim, um pouco por todo o lado, enfrentam uma série de ameaças, desde a poluição às alterações climáticas. 

Nesta região em que estamos, um dos rios mais marcantes, abrangendo vários concelhos do distrito de Viseu e dando nome a uma Região Demarcada de produção de vinhos, é o Dão. Nasce no concelho de Aguiar da Beira, Distrito da Guarda, depois atravessa, ou demarca, os limites dos concelhos de Penalva do Castelo, Mangualde, Nelas, Viseu, Carregal do Sal, Tondela e Santa Comba Dão, indo desaguar no rio Mondego, em plena albufeira da Barragem da Aguieira. Os principais afluentes que compõem a sua bacia hidrográfica são o rio Carapito, a ribeira de Coja, o rio Sátão, o rio Pavia, a ribeira das Hortas e o rio Criz.

Uma outra associação que se pode fazer facilmente olhando para estes nomes de linhas de água é, infelizmente, a poluição. Têm sido, ao longo dos anos, comuns as denúncias e notícias de atentados ambientais e episódios de poluição na sub-bacia hidrográfica do Dão.

A cidadania não se conforma com os cenários que vão surgindo nestas águas: maus cheiros, colorações questionáveis, espumas, peixes mortos – e um sentimento de insegurança, no que à saúde pública diz respeito, generalizado.

Quando há poluição dos rios e seus afluentes: é um risco ir à praia, é um risco beber água, é um risco comer alimentos regados por estas águas, é um risco ter animais que possam delas beber. Pela ação humana irresponsável, o rio deixa de ser sinónimo de vida, para ser sinónimo de perigo.

Isto pode provocar outro sentimento generalizado entre as populações: injustiça. Porquê? Porque a origem da poluição as transcende, estando quase sempre relacionada com ETAR a precisarem de manutenção e requalificação, ou indústria e explorações agropecuárias a atuar, impunemente, à margem dos parâmetros legais e da ética ambiental. Também quase sempre os municípios onde tal acontece negam o que é facto comprovado.

Recentemente o Bloco de Esquerda apresentou um Projecto de Resolução no Parlamento com vista à recuperação ambiental e despoluição da sub-bacia hidrográfica do rio Dão, que foi aprovado por unanimidade. Ou seja, a Assembleia da República reconhece uma necessidade, que tem vindo a ser, teimosamente, negada pelos governantes locais.

O Projeto de Resolução aprovado, vai no sentido de municípios e governo central atuarem para garantir um plano integrado para a recuperação da sub-bacia hidrográfica. Será necessária a recuperação das ETAR, fiscalização, sensibilização e atuação relativamente às descargas que persistem a nível das indústrias e da agricultura. É ainda proposto que voltem a existir vigilantes dos cursos hídricos e rios (“guarda-rios”).

Será assim que o Dão passa a ser, sem que dúvida alguma reste, sinónimo de vida?

Outros artigos deste autor >

Ativista. Formada em Antropologia. Deputada na Assembleia Municipal de Viseu pelo Bloco de Esquerda.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Ler Mais

Um defeito de cor

“uma época não muito distante da nossa, os religiosos europeus se perguntavam se os selvagens da África e…
Marisa Matias
Ler Mais

Marisa Matias: a Mulher sem medo

Foto por Ana MendesMarisa Matias anunciou esta semana a sua candidatura à Presidência da República, rodeada de profissionais…
Skip to content