“Eu vi este povo a lutar”: cinco anos de Marcha em Viseu

“Ao ódio respondemos com fraternidade, camaradagem, companheirismo e amor. Viseu pode ser uma melhor cidade para viver COM a Marcha, com movimento, com cor, com vozes LGBTQIA+ cheias de Orgulho.”
Bloco de Esquerda na 5.ª Marcha de Viseu Pelos Direitos LGBTQIA+

“Eu vi este povo a lutar

Para a sua exploração acabar”*

Para a sua opressão acabar…

Eu tenho visto este povo a lutar, nas ruas, em forma de marcha, desde há cinco anos.

Há cinco anos colaram cartazes contra a marcha que diziam “Viseu, a melhor cidade para viver sem vocês”, este ano arrancaram cartazes e mais uma vez comentários nascidos do ódio salpicaram as publicações nas redes sociais de divulgação desta manifestação.

Ao ódio respondemos com fraternidade, camaradagem, companheirismo e amor. Viseu pode ser uma melhor cidade para viver COM a Marcha, com movimento, com cor, com vozes LGBTQIA+ cheias de Orgulho.

O Orgulho, palavra tantas vezes mal compreendida, é isto: sair à rua sem medo e erguer a voz e as bandeiras, não porque somos especiais, diferentes ou melhores, mas porque somos iguais a nós mesmas e temos orgulho nisso.

Porque queremos que cada pessoa que existe e cada criança que venha a nascer, em Viseu como em qualquer outro lugar, possa ser, sem amarras ou caixinhas, igual a si mesma, não sendo por isso lesado o seu acesso a oportunidades e tratamento digno, na sociedade e nas instituições.

É fundamental a defesa intransigente dos Direitos Humanos, em todas as plataformas possíveis, nomeadamente nos órgãos autárquicos, que, enquanto órgãos, por excelência, de proximidade, podem fazer toda a diferença.

O Bloco de Esquerda tem defendido para Viseu medidas como a criação de um plano municipal LGBTQIA+; o apoio por parte da autarquia à celebração de dias internacionais e nacionais, ou manifestações, que promovam os Direitos Humanos; ou ainda a criação da Casa da Cidadania para associações de direitos humanos. Seremos sempre voz ativa na defesa dos direitos humanos, uma voz que não se cala pela concretização de medidas que possam fazer caminho para um concelho verdadeiramente inclusivo e uma voz sem pudor de sair à rua sempre que for preciso. 

Por isso aqui estou, hoje, mais uma vez, com a mesma vontade e energia de há cinco anos.

Por cinco vezes consecutivas desde 2018 o desafio foi lançado: Já Marchavas! E por cinco vezes consecutivas vocês, nós, respondemos e lutamos por um amanhã mais justo e livre para todas as pessoas.

Por um amanhã sem estigmas e discriminações.

Por um amanhã fora das garras do patriarcado: feminista, antifascista e antirracista, em Viseu, em Portugal, no Brasil, no Irão, em todo o mundo!

Por um amanhã em que Lei e Sociedade sejam igualmente inclusivas.

Por um amanhã que vá muito além da tolerância, onde se verifique o direito a uma existência plena e digna de qualquer pessoa.

Pelo amanhã, lutamos, marchamos hoje!

 

*”Eu vi este povo a lutar (Confederação)”, letra de José Mário Branco

[Discurso na 5.ª Marcha de Viseu Pelos Direitos LGBTQIA+ enquanto deputada do Bloco de Esquerda na Assembleia Municipal de Viseu.]
Outros artigos deste autor >

Ativista. Formada em Antropologia. Deputada na Assembleia Municipal de Viseu pelo Bloco de Esquerda.

Related Posts
Chullage
Ler Mais

Uma espécie de tributo

Não conheço pessoalmente Chullage. Fui a dois concertos dele em Viseu e acompanho a sua música basicamente desde…
Ler Mais

A PAC também nos diz respeito

Foto de Miguel Angel Masegosa | Flickr A Política Agrícola Comum também nos diz respeito. Mais ainda quando…
Ler Mais

Bruxura escondido com o rabo de fora

Desde sempre ouço dizer, a expressão espanhola, “No creo em brujas pero que las hay las hay!” traduzida: “Não acredito em bruxas, mas que as há, há!”; porém, o melhor equivalente em português, pessoalmente, creio ser a expressão, “Não é merda, mas cagou-a o cão!”. E esta acredito que seja, das expressões populares, a que melhor se aplica ao líder da extrema-direita (sem prejuízo para qualquer canídeo, é claro!). 
Skip to content