Julho foi o melhor mês para os cinemas portugueses desde o início da pandemia

Mais de meio milhão de pessoas foram ao cinema em julho, tornando-o no melhor mês para os cinemas portugueses desde o início da pandemia.

Segundo os dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), foram ao cinema 588.492 espectadores no mês de julho de 2021, faturando uma receita bruta superior a três milhões de euros.

Desde fevereiro de 2020, com mais de 1 milhão de espectadores, que não ia tanta gente ao cinema. Em março desse ano, no início da pandemia em Portugal, venderam-se apenas cerca de 258 mil bilhetes.

Desde a reabertura das salas de cinema, a 18 de abril do corrente ano, que o número de espectadores em sala tem vindo a aumentar a bom ritmo. Em maio venderam-se mais de 321 mil bilhetes e em junho foram mais de 477 mil.

Assim, entre janeiro e julho de 2021 foram já ao cinema mais de um milhão de pessoas. Foram vendidos exactamente 1.4747.709 de bilhetes, o que representa ainda assim um decréscimo acentuado em comparação com 2020 (2.651.893 de espectadores). Ou seja, segundo o ICA há uma variação negativa de 44,4% face ao período homólogo do ano anterior.

No entanto, é de assinalar o crescimento do número de espectadores e da receita bruta desde o começo da pandemia. Estes números demonstram que pode ser possível terminar o ano corrente com melhores resultados do que os de 2020, que foi o pior ano para as salas de cinema portuguesas nos últimos 10 anos e certamente um dos piores que há memória.

Quanto aos filmes mais vistos em 2021 nas salas de cinema portuguesas, o filme mais visto é “Velocidade Furiosa 9”, registando mais de 309 mil espectadores. Seguem-se “Viúva Negra” (105.010 espectadores), “The Conjuring 3: A Obra do Diabo” (82.841 espectadores) e “Cruella” (76.948 espectadores).

No cinema nacional, o filme que ocupa o primeiro lugar do ranking de 2021, até ao dia 11 de agosto, é “Bem Bom”, visto por 64.870 espectadores. Seguem-se “Prazer, Camaradas!” com 2935 espectadores, “O Movimento das Coisas” com 1443 espectadores e “Visões do Império” com 1130 espectadores.

Quanto à produção de obras nacionais apoiadas pelo ICA, foram concluídas 20 longas-metragens (9 de ficção e 11 documentários) e 12 curtas-metragens (5 de ficção, 3 documentários e 4 animação), o que representa um decréscimo de 6% do número de obras face ao período homólogo do ano anterior.

Publicado em Cinema Sétima Arte a 13 de agosto de 2021

Outros artigos deste autor >

Se disséssemos que éramos um bando de miúdos, um tanto sonhadores, que queriam fundar um site para escrever sobre cinema e que, por algum desígnio divino, pudéssemos fazer da vida isto de escrever sobre a sétima arte, seria isso possível? A resposta é óbvia: dificilmente. Todavia Isso não impediu o bando de criá-lo em 2008, ano da fundação do Cinema Sétima Arte. O espírito do western tinha-se entranhado em nós…
“A atividade crítica tem três funções principais: informar, avaliar, promover”. É desta forma que pretendemos estimular o debate pelo cinema.
Acima de tudo, escreveremos sempre como cinéfilos, esses sonhadores enamorados da sétima arte.
www.cinema7arte.com

Outros artigos deste autor >

Portuense mas reside em Viseu desde 2015 e é apaixonado por cinema e política. É administrador do site Cinema Sétima Arte, programador de cinema no espaço Carmo 81 e fez parte da equipa que reabriu o Cinema Ícaro, em Viseu, com o Desobedoc 2018. É ativista na Plataforma Já Marchavas, que organizou a 1.ª Marcha LGBTI+ de Viseu, em 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados
Olho
Ler Mais

Eco

Comecei a cultivar uma amizade à distância de um olhar. Sem absoluta ânsia a comunicação ecoa  Na alma…
Ler Mais

A dança de açúcar

Continuo a não saber nada de mulheres, mas nem nunca percebi de pessoas. Os alcoólicos são sempre os…
Skip to content