Foto retirada de Cinema Sétima Arte

Medeia Filmes apresenta a primeira parte do ciclo de cinema “As Mulheres da Câmara de Filmar”, composto por 12 filmes realizados por autoras fundamentais para a história do cinema e para a afirmação do(s) olhar(es) feminino(s) na sétima arte, a realizar-se de 5 a 27 de outubro, no Cinema Medeia Nimas.

A primeira parte do ciclo integra obras, algumas com cópias digitais restauradas, de cineastas como Dorothy Arzner, Ida Lupino, Marguerite Duras, Agnès Varda, Larisa Shepitko, Chantal Akerman, Jane Campion, Kathryn Bigelow, Lucrecia Martel, Teresa Villaverde, Naomi Kawase e Laurie Anderson.

CICLO – AS MULHERES DA CÂMARA DE FILMAR (1ª parte):
5 de outubro, 16h15 – Coração de Cão (2015) de Laurie Anderson
5 de outubro, 21h30 – O Amor dos Leões (1969), de Agnès Varda – Cópia digital restaurada 4K
10 de outubro, 19h – O Pântano (2001) de Lucrecia Martel – Cópia 35mm
11 de outubro, 18h15 – India Song (1975) de Marguerite Duras – Cópia 35mm / Homenagem aos atores Delphine Seyrig e Michael Lonsdale
12 de outubro, 21h15 – Dança, Rapariga, Dança (1940) de Dorothy Arzner – Cópia digital restaurada – Projecção seguida de debate com a crítica de cinema Inês N. Lourenço e outros convidados a anunciar
13 de outubro, 21h15 – A Cativa (2000) de Chantal Akerman – Cópia 35mm – Sessão com apresentação de Paulo Branco
18 de outubro, 21h15 – O Piano (1993) de Jane Campion – Cópia digital restaurada
17 de outubro, 15h15 – Os Mutantes (1998) de Teresa Villaverde – Cópia 35mm
24 de outubro, 19h00 – Uma Pastelaria em Tóquio (2015) de Naomi Kawase
25 de outubro, 15h30 – Anjos Rebeldes (1966) de Ida Lupino – Cópia digital restaurada
26 de outubro, 19h00 – Estranhos Prazeres (1995) de Kathryn Bigelow
27 de outubro, 19h30 – Ascensão (1977) de Larisa Shepitko – Cópia digital restaurada

Outros artigos deste autor >

Portuense mas reside em Viseu desde 2015 e é apaixonado por cinema e política. É administrador do site Cinema Sétima Arte, programador de cinema no espaço Carmo 81 e fez parte da equipa que reabriu o Cinema Ícaro, em Viseu, com o Desobedoc 2018. É ativista na Plataforma Já Marchavas, que organizou a 1.ª Marcha LGBTI+ de Viseu, em 2018.

Outros artigos deste autor >

Se disséssemos que éramos um bando de miúdos, um tanto sonhadores, que queriam fundar um site para escrever sobre cinema e que, por algum desígnio divino, pudéssemos fazer da vida isto de escrever sobre a sétima arte, seria isso possível? A resposta é óbvia: dificilmente. Todavia Isso não impediu o bando de criá-lo em 2008, ano da fundação do Cinema 7.ª Arte. O espírito do western tinha-se entranhado em nós…
“A atividade crítica tem três funções principais: informar, avaliar, promover”. É desta forma que pretendemos estimular o debate pelo cinema.
Acima de tudo, escreveremos sempre como cinéfilos, esses sonhadores enamorados da sétima arte.
www.cinema7arte.com

Deixe o seu comentário

Skip to content