«PASSÁMOS POR CÁ» – POR CÁ CONTINUAMOS A RESISTIR

«PASSÁMOS POR CÁ» de Ken Loach / Imagem retirada de Cinema Sétima Arte
Ken Loach tinha dito que “Eu, Daniel Blake” (2016) seria o seu último filme, mas o cineasta britânico de 83 anos, assumidamente de esquerda, não se conforma com o caminho que a sociedade está a tomar e encontra sempre mais uma história para contar como forma de resistência. Esperemos que continue à procura destas histórias, de pessoas reais, do quotidiano de cidadãos comuns em situações difíceis.

“Passámos Por Cá”, estreado no Festival de Cannes 2019, é um drama que nos transporta para o habitual realismo social a que Loach nos habituou na sua obra, neste caso sobre o quotidiano de uma família da classe operária, após a crise financeira de 2008. Uma família de Newcastle, que perdeu a casa e tenta sair do círculo vicioso das dívidas. Abbie, a mãe (Debbie Honeywood) trabalha como cuidadora informal e Ricky, o pai (Kris Hitchen), compra uma carrinha nova para adquirir um franchise de entrega de encomendas por conta própria. Mas as condições são arriscadas, com horários rigorosos, longas horas de trabalho e severas penalidades contratuais.

Há vidas mesmo difíceis e Ken Loach tem-nos mostrado essas realidades ao longo da sua longa carreira. Este filme mostra as consequências diretas dos empregos precários nas famílias e acaba também por expor o estado do serviço nacional de saúde e dos direitos laborais. A classe média queixa-se, mas é a classe trabalhadora a que mais sofre com este sistema capitalista.

A vida desta família de classe baixa do Reino Unido é composta por dois adultos e dois jovens que tem dificuldades em pagar as suas contas. Os pais matam-se a trabalhar e em condições laborais arriscadas e abusivas, enquanto que os filhos vão também arranjando problemas em casa e na escola. Toda esta tensão entre o trabalho, as dificuldades financeiras e as suas relações familiares ameaçam o bem estar desta família, gerando discussões e discórdia. Esta família é como uma bomba relógio prestes a explodir. É esta a realidade que vivemos diariamente.

Tal como houve em “Eu, Daniel Blake” um “grito de guerra”, com a personagem de Daniel, também há aqui essa semelhança com Ricky e Abbie, sobretudo com a mãe que já esgotada e sem forças de continuar a ser escravizada e ver os seus a sofrerem tem um momento de revolta. Este sistema capitalista tritura-nos por dentro e nem damos conta, destruindo famílias e muitas vezes as próprias vidas. Estas personagens sobrevivem diariamente, estando subjugados a condições laborais bastante precárias e que em nada os protege. Nem lhes é dado tempo para protestar e reivindicar, pois se o fazem perdem o trabalho.

Tal como em “Eu, Daniel Blake”, este filme é mais um murro no estômago e que tal como o anterior é um filme emotivo e de luta que não muda o mundo, mas ajuda a compreendê-lo um pouco melhor.

De forma direta, sem qualquer manipulação, Loach mostra-nos a vida tal como ela é. É um filme político, contemporâneo e de resistência que denuncia as consequências diretas da exploração deste sistema. O Estado, imbuído pelo sistema neoliberal, asfixia as pessoas para satisfazer o capital financeiro, acelerando a qualquer custo e sacrifício a concentração da riqueza. Pois nós por cá continuamos a resistir, pois é uma necessidade, caso contrário morremos. É preciso resistir e Loach continua a fazê-lo da melhor maneira.

Realização: Ken Loach
Argumento: Paul Laverty
Elenco: Kris Hitchen, Debbie Honeywood, Rhys Stone
Reino Unido/2019 – Drama
Sinopse: Ricky e a sua família lutam arduamente contra as dívidas desde o colapso financeiro de 2008.  A certa altura, Ricky tem uma oportunidade de recuperar alguma independência com uma furgoneta novinha em folha e a possibilidade de ter o seu franchise como motorista de entregas por conta própria. É um trabalho duro, mas o emprego da mulher como cuidadora não é mais fácil. A família é forte, mas quando ambos são empurrados em sentidos diferentes, o ponto de rutura torna-se iminente.

Outros artigos deste autor >

Se disséssemos que éramos um bando de miúdos, um tanto sonhadores, que queriam fundar um site para escrever sobre cinema e que, por algum desígnio divino, pudéssemos fazer da vida isto de escrever sobre a sétima arte, seria isso possível? A resposta é óbvia: dificilmente. Todavia Isso não impediu o bando de criá-lo em 2008, ano da fundação do Cinema Sétima Arte. O espírito do western tinha-se entranhado em nós…
“A atividade crítica tem três funções principais: informar, avaliar, promover”. É desta forma que pretendemos estimular o debate pelo cinema.
Acima de tudo, escreveremos sempre como cinéfilos, esses sonhadores enamorados da sétima arte.
www.cinema7arte.com

Outros artigos deste autor >

Portuense mas reside em Viseu desde 2015 e é apaixonado por cinema e política. É administrador do site Cinema Sétima Arte, programador de cinema no espaço Carmo 81 e fez parte da equipa que reabriu o Cinema Ícaro, em Viseu, com o Desobedoc 2018. É ativista na Plataforma Já Marchavas, que organizou a 1.ª Marcha LGBTI+ de Viseu, em 2018.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Ler Mais

Pensar Marx depois de Marx

Foto por Pierre Wolfer no FlickrA influência de Karl Marx no pensamento que o século XX produziu é…
mãos com flor de lótus
Ler Mais

Mulher sem nome

Tu, mulher sem nome Que no silêncio e na solidão dos dias Deixas que as tuas mãos experientes…
Ler Mais

Sem rede

Qualquer dia verdadeiro adormeço debaixo da árvore Sonho ou não sonho, bebo ou não bebo trigo pela goela…
Skip to content