Sabia que, em média, uma coruja-das-torres come 4 micromamíferos, como, por exemplo, pequenos ratos, por noite, resultando em cerca de 1 460 por ano?

Fotografia João Santos/Jorge Rodríguez Pérez (Palombar)
As corujas-das-torres (Tyto alba) marcam sempre presença nos campos agrícolas, o que significa que os roedores têm de ter cautela! Em média, uma coruja-das-torres come 4 micromamíferos, como pequenos ratos, por noite, resultando em cerca de 1 460 por ano. Muitas vezes associada a superstições e mau agoiro, a verdade é que são excelentes a controlar pragas agrícolas e a sua existência nos campos gera menos danos para a agricultura. As corujas-das-torres têm penas especiais nas asas que lhes permite caçar sem fazer barulho e ouvidos localizados de forma assimétrica na cabeça para serem mais eficazes a detetar a sua presa.
Descarregue o folheto de atividades “AS GUARDIÃS DA HORTA” e descubra os serviços que esta e outras espécies de aves prestam aos ecossistemas!
Outros artigos deste autor >

A Palombar – Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 2000, que tem como missão conservar a biodiversidade, os ecossistemas selvagens, florestais e agrícolas e preservar o património rural edificado, bem como as técnicas tradicionais de construção. A associação, que atua orientada por uma abordagem pedagógica e de cooperação, promove também a investigação científica nas áreas da Ecologia, Biologia da Conservação e Gestão de Ecossistemas, a educação ambiental, o desenvolvimento das comunidades e a dinamização do mundo rural.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
cvi
Ler Mais

Vila Real junta-se à Marcha pela vida independente

É já este sábado, junto à Estação de Vila Real, que terá início a marcha pela vida independente. Com o projeto-piloto de apoio à vida independente a chegar ao fim e nova legislação prometida, pretende-se fazer ouvir a voz das pessoas que precisam de assistência pessoal. Uma mobilização com o lema: “A vida independente tem de ser para toda a gente”.
Skip to content