À Descoberta do Nordeste Transmontano no Parque Natural de Montesinho

Foto de Roberto Corvino | Palombar
A atividade realizada no Parque Natural de Montesinho (PNM) no dia 12 de outubro, no âmbito do Ciclo À Descoberta do Nordeste Transmontano, permitiu aos dez participantes descobrirem a riqueza faunística, paisagística e cultural da região, acompanhados pelos guias João Santos e Luís Queirós, da Palombar – Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural.


Foto de Roberto Corvino | Palombar
Esta atividade revelou que o PNM é um santuário para várias espécies de fauna, sendo essencial para assegurar a sua conservação. No total, registámos 45 espécies de aves e identificámos oito mamíferos.

Inicialmente prevista para ser uma caminhada em pleno coração do PNM, a atividade teve que ser alterada devido ao alerta de Risco Máximo de Incêndio emitido pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) para este dia.

Apesar de não ter sido possível desbravar o território por caminhos de terra, como estava previsto, e de termos que fazer visitas a pontos estratégicos, próximos das estradas de asfalto, conhecidos pelos guias da Palombar, qualquer olhar mais atento permitiu encontrar várias espécies de animais e os seus indícios de presença.

Foto de Roberto Corvino | Palombar
Durante a atividade, foi possível registar 45 espécies de avifauna, entre as quais se destacam o melro-d’água (Cinclus cinclus), guarda-rios (Alcedo atthis), grifo (Gyps fulvus), gaio (Garrulus glandarius), perdiz-vermelha (Alectoris rufa), pombo-torcaz (Columba palumbus), pica-pau-malhado-grande (Dendrocopos major), pica-pau-verde (Picus viridis), trepadeira-azul (Sitta europaea) e chapim-de-poupa (Lophophanes cristatus). Consulte a lista completa de aves identificadas aqui.

Foto de Roberto Corvino | Palombar

Já no que se refere aos mamíferos, foram registados, sobretudo através de indícios de presença, o lobo (Canis lupus), veado (Cervus elaphus), corço (Capreolus capreolus), javali (Sus scrofa), raposa (Vulpes vulpes), fuinha (Martes foina) e coelho-bravo (Oryctolagus cuniculus). Foi ainda possível realizar a observação direta das seguintes espécies: veado, corço, raposa e ouriço-cacheiro (Erinaceus europaeus).

E como a Natureza não tem fronteiras, de forma a alargar a nossa atividade a mais territórios, visitámos a zona limítrofe ao PNM do lado espanhol, nomeadamente a Reserva Regional de Caza (RRC) Sierra de la Culebra, onde também observámos várias espécies de fauna.

O dia terminou em grande com uma visita à aldeia de Rio de Onor, onde fomos carinhosamente recebidos pelo Ti Mariano, guardião dos conhecimentos e tradições locais, que nos levou à sua adega e nos explicou o sistema comunitário vivido na aldeia raiana partilhada por portugueses e espanhóis.


Foto de Roberto Corvino | Palombar

Foto de Roberto Corvino | Palombar
Esta atividade esteve inserida no DIA DE AÇÃO COMUM PELA NATUREZA (DACN) – Convergência Ecológica e Ambiental carta-de-famalicao.webnode.pt/dia-de-acao-comum. Este ano foi o primeiro em que se celebrou o DACN, uma iniciativa de várias entidades e associações de defesa do ambiente que elaboraram a Carta de Famalicão, entre as quais a Palombar.

Foto de Roberto Corvino | Palombar
Outros artigos deste autor >

A Palombar – Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 2000, que tem como missão conservar a biodiversidade, os ecossistemas selvagens, florestais e agrícolas e preservar o património rural edificado, bem como as técnicas tradicionais de construção. A associação, que atua orientada por uma abordagem pedagógica e de cooperação, promove também a investigação científica nas áreas da Ecologia, Biologia da Conservação e Gestão de Ecossistemas, a educação ambiental, o desenvolvimento das comunidades e a dinamização do mundo rural.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Related Posts
Ler Mais

Um poema esquecido.

Foto de Ricardo Lago | FlickrNa cabeça, tinha um belo poema, consigo ainda sentir, por entre as sinapses,…
Ler Mais

Ave rara oriunda da América do Norte observada no Vale do Tua

Uma ave oriunda da América do Norte e rara em Portugal, com o nome comum caturro (Aythya collaris), também conhecida por zarro-de-colar, foi observada no Vale do rio Tua no dia 31 de janeiro de 2022. Em Portugal, a observação desta espécie, um pato mergulhador, é uma raridade, sendo este o primeiro registo de um caturro no distrito de Bragança e um dos poucos no interior de Portugal a norte do rio Tejo.
Cadeira
Ler Mais

Silêncio Audível

Na totalidade deste silêncio que me aconchega Deixo meu cérebro mandar escrever a mão esquerda  Descaída para a…
Ler Mais

Noz

Se agora me aparece a escrita será por ser maldita Dita por não dita e nunca foi escrita…
Skip to content