Descoberta do embrião de dinossauro “Bebé Yingliang” lança novas luzes sobre a evolução do comportamento das aves modernas

Reconstituição de um embrião de dinossauro Oviraptorossauro prestes a eclodir. Fonte: Lida Xing/New Scientist.

As aves descendem dos terópodes, um grupo de dinossauros extremamente diverso. Ao longo da sua evolução, estes dinossauros conquistaram o habitat terrestre e, no final do Jurássico Superior, através das aves, foram capazes de conquistar também os ares. Podemos dizer que as aves são os únicos descendentes diretos de dinossauros que sobreviveram à extinção.

Mais recentemente, em dezembro passado, foi descoberto na China um dos embriões de dinossauro mais completos e preservados de sempre, que permitiu lançar novas luzes sobre a evolução e o comportamento das aves. O embrião, batizado de “Bebé Yingliang”, foi descoberto em Ganzhou, no Sul da China, e pertence a um dinossauro terópode desdentado. Terá entre 72 a 66 milhões de anos e encontrava-se extremamente bem conservado dentro de um ovo de dinossauro fossilizado. O estudo deste embrião está a permitir compreender melhor a relação entre o comportamento das aves modernas e os extintos dinossauros.

Imagem do “Bebé Yingliang”. Fonte: Xing et al./ISCIENCE.

O “Bebé Yingliang” foi identificado como um membro da micro-ordem Oviraptorosauria, com base no crânio profundo e sem dentes. Estes animais são um grupo de dinossauros terópodes emplumados, estreitamente relacionados com as aves atuais.

Segundo explicaram os investigadores, as aves desenvolvem uma série de posturas dobradas, nas quais dobram o corpo e metem a cabeça debaixo da asa pouco antes de eclodir. Os embriões que não são capazes de realizar essas posturas têm mais probabilidades de morrerem e não conseguirem eclodir.

Ao compararem o “Bebé Yingliang” com os embriões de outros terópodes, dinossauros saurópodes de pescoço longo e aves, a equipa sugeriu que o comportamento de dobramento, que se considerava exclusivo das aves modernas, evoluiu pela primeira vez nos dinossauros terópodes não avianos há muitas dezenas ou centenas de milhões de anos.

Ilustração “Dino into bird” por Mark Hallett. Fonte: Os Big 5+ – Os maiores terópodes da Europa, Marco Schade.
O estudo deste fóssil sugere, desta forma, que estes dinossauros desenvolveram posturas semelhantes às das aves perto da eclosão e que a postura agora observada neste embrião é semelhante à dos embriões das aves atuais.

 

Outros artigos deste autor >

A Palombar – Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 2000, que tem como missão conservar a biodiversidade, os ecossistemas selvagens, florestais e agrícolas e preservar o património rural edificado, bem como as técnicas tradicionais de construção. A associação, que atua orientada por uma abordagem pedagógica e de cooperação, promove também a investigação científica nas áreas da Ecologia, Biologia da Conservação e Gestão de Ecossistemas, a educação ambiental, o desenvolvimento das comunidades e a dinamização do mundo rural.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Related Posts
Ler Mais

Poema Estranho

É estranho não poder abraçar. O que não quer dizer que vá abraçar. Mas é uma escolha minha…
Skip to content