Piadeira (Anas penelope) | Foto por Imran Shah/WikiMedia Commons.

A União Europeia (UE) aprovou, no dia 3 de setembro, a proibição do uso de chumbo em munições de caça em zonas húmidas. Esta decisão representa uma importante vitória para a conservação da avifauna associada a ecossistemas húmidos e foi tomada depois da forte pressão exercida por diversas organizações e entidades de ambiente europeias. A medida, que ainda está sujeita a aprovação final pelo Parlamento Europeu (considerada uma formalidade), permitirá salvar a vida de dezenas de milhões de aves na Europa todos os anos.

O chumbo presente nas munições de caça é tóxico tanto para os seres humanos, como para as espécies de fauna selvagem e provoca vários danos no organismo. A proibição do uso de chumbo em munições utilizadas em áreas húmidas deve entrar em vigor após um período de transição de dois anos.

Os ambientalistas e conservacionistas esperam que este seja apenas o primeiro passo para banir o chumbo em contexto cinegético, independentemente do habitat em que esta atividade decorre. Está já a ser preparada uma proposta europeia para proibir o uso de chumbo em munições para caça em todos os tipos de habitat e para qualquer tipologia de caça, nomeadamente caça maior.

Estima-se que mais de 20 000 toneladas de chumbo se acumulem anualmente em zonas húmidas na Europa, onde aves aquáticas migratórias se alimentam e reproduzem todos os anos, provocando a morte de cerca um milhão de aves/ano e causando graves problemas de saúde em aproximadamente três milhões. O consumo de carne contaminada com chumbo afeta igualmente a saúde humana.

O relatório que esteve na base da proposta agora aprovada foi elaborado em 2017 pela Agência Europeia das Substâncias Químicas (ECHA, na sigla em inglês) e pode ser consultado aqui.

 

Publicado em Palombar a 9 de setembro de 2020.

Outros artigos deste autor >

A Palombar – Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 2000, que tem como missão conservar a biodiversidade, os ecossistemas selvagens, florestais e agrícolas e preservar o património rural edificado, bem como as técnicas tradicionais de construção. A associação, que atua orientada por uma abordagem pedagógica e de cooperação, promove também a investigação científica nas áreas da Ecologia, Biologia da Conservação e Gestão de Ecossistemas, a educação ambiental, o desenvolvimento das comunidades e a dinamização do mundo rural.

Deixe o seu comentário

Skip to content