Criadores de gado que deixam cadáveres de animais no campo têm visão mais positiva sobre espécies necrófagas

Figura retirada do artigo publicado na revista Biological Conservation.
Os criadores de gado portugueses da região transfronteiriça do vale do rio Douro declararam que deixam mais cadáveres de animais no campo e têm uma visão mais positiva sobre as espécies de fauna estritamente ou parcialmente necrófagas, quando comparados com os seus congéneres espanhóis da mesma região, revela o estudo “Farmers’ perceptions towards scavengers are influenced by implementation deficits of EU sanitary policies”, publicado na revista Biological Conservation.

O estudo, da autoria de Fátima D. Gigante, João P.V. Santos, biólogo da Palombar – Conservação da Natureza e do Património Rural, José Vicente López Bao, Pedro P. Olea, Bas Verschuuren e Patricia Mateo Tomás, foi desenvolvido no âmbito da tese de mestrado de Fátima D. Gigante, da Universidade de Wageningen, na Holanda, em colaboração com a Universidade de Oviedo, em Espanha, e contou com o apoio do projeto “LIFE Rupis – Conservação do britango e da águia-perdigueira no vale do rio Douro”, do qual a Palombar é parceira.

O estudo, realizado com base em 109 entrevistas (61 em Portugal e 48 em Espanha), avaliou como a implementação heterogénea dos regulamentos sanitários da UE que permitem que os cadáveres de animais sejam deixados in situ na Península Ibérica afeta as percepções dos criadores de gado sobre as espécies necrófagas.

No total, foram analisadas dez espécies estritamente ou parcialmente necrófagas: abutres, nomeadamente, grifo (Gyps fulvus), abutre-preto (Aegypius monachus), abutre-do-Egito (Neophron percnopterus); predadores de topo, tais como lobo (Canis lupus) e águia-real (Aquila chrysaetos); e várias espécies generalistas, em particular, milhafre-real (Milvus milvus), corvo (Corvus corax), raposa (Vulpes vulpes), javali (Sus scrofa) e fuinha (Martes foina).

Os resultados mostraram que os criadores de gado que deixam efetivamente os cadáveres de gado in situ têm uma visão mais positiva sobre as espécies necrófagas, que aqueles que não o fazem registam uma perceção mais negativa sobre essas mesmas espécies e que há falhas na implementação e desconhecimento da legislação sanitária europeia aplicada aos contextos nacionais no que se refere ao abandono de cadáveres no campo, o que pode resultar num conflito emergente entre criadores de gado e as espécies necrófagas, pondo em risco a sua conservação.

Poderá consultar o artigo aqui.

Publicado por Palombar a 17 de junho de 2021

Outros artigos deste autor >

A Palombar – Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 2000, que tem como missão conservar a biodiversidade, os ecossistemas selvagens, florestais e agrícolas e preservar o património rural edificado, bem como as técnicas tradicionais de construção. A associação, que atua orientada por uma abordagem pedagógica e de cooperação, promove também a investigação científica nas áreas da Ecologia, Biologia da Conservação e Gestão de Ecossistemas, a educação ambiental, o desenvolvimento das comunidades e a dinamização do mundo rural.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados
Ler Mais

Salgueiro

Um homem com nome de árvore sonhou perfumar Um país deitado junto ao mar. Quis dar luz e…
Skip to content