Pela declaração do estado de “Emergência Climática” em Portugal!

Greve Climática Estudantil de Viseu
Greve Climática Estudantil de Viseu

A Palombar – Conservação da Natureza e do Património Rural junta-se à associação ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável e ao movimento Parents For Future Portugal na defesa da “Declaração de Emergência Climática” em Portugal.
No dia 12 de dezembro, no âmbito do 5.º Aniversário do Acordo de Paris, na abertura da Cimeira da Ambição Climática 2020, o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou a todos os líderes mundiais para que declarem “um estado de emergência climática nos seus países, até que a neutralidade carbónica seja alcançada”.
A declaração do estado de “Emergência Climática” pelo Governo português representará o reconhecimento indubitável de que, apesar da grande crise atual de saúde pública, a maior ameaça deste século com custos dramáticos para todos os portugueses e para toda a humanidade e o planeta, em particular para as próximas gerações, são as alterações climáticas.
Pela defesa da Natureza e do Planeta!
É urgente agir já!

Publicado em Palombar a 18 de dezembro de 2020

A Palombar – Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 2000, que tem como missão conservar a biodiversidade, os ecossistemas selvagens, florestais e agrícolas e preservar o património rural edificado, bem como as técnicas tradicionais de construção. A associação, que atua orientada por uma abordagem pedagógica e de cooperação, promove também a investigação científica nas áreas da Ecologia, Biologia da Conservação e Gestão de Ecossistemas, a educação ambiental, o desenvolvimento das comunidades e a dinamização do mundo rural.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts
Texugo (Meles meles) a consumir um isco simulado. Fotografia Palombar.
Ler Mais

Estudo revela pela primeira vez real dimensão do impacto do uso de venenos sobre a biodiversidade na Península Ibérica

Um estudo que acaba de ser publicado na revista Biological Conservation revela a real dimensão do impacto do uso ilegal de venenos sobre a biodiversidade na Península Ibérica. Esta investigação avaliou, pela primeira vez, o número de espécies que são afetadas pelo uso ilegal de venenos, mostrando que são mais do que se previa: no total, pelo menos 47 espécies de vertebrados, entre os quais aves, mamíferos e répteis. A grandeza desta ameaça era, até ao momento, desconhecida devido à reduzida taxa de deteção dos casos de envenenamento no meio natural.
Skip to content